Jump to content
GNMilasi

 tutorial E você, sabe qual é a diferença entre BIOS e UEFI?

Rate this topic

Recommended Posts

E você, sabe qual é a diferença entre BIOS e UEFI?

 

Quando um computador é ligado, muitos processos invisíveis acontecem. Os componentes começam a falar entre si, para funcionarem. O BIOS e a UEFI são o elemento base para que o hardware funcione de forma perfeita durante esse arranque.

 

O propósito destes elementos é carregar e executar as operações iniciais do sistema, usando para isso o hardware. Hoje vamos conhecer cada um deles em pormenor e quais as suas diferenças.

 

1_intro_chip-720x478.jpg

 

Em meados da década de 1990, a Intel percebeu que o modelo da interface de firmware do BIOS (Basic Input/Output System) da IBM tinha limitações inerentes.

 

Estas não afetaram o utilizador “normal”, no entanto dificultaram a tarefa de criar servidores de alto desempenho, o que levou a Intel a iniciar o desenvolvimento da EFI para a sua plataforma Itanium. Havia ainda a necessidade de controlar a proliferação de rootkits.

 

Em 2007, a Intel, juntamente com a AMD, AMI, Apple, Dell, HP, IBM, Lenovo, Microsoft e Phoenix Technologies, concordaram em usar UEFI (Unified Extensible Firmware Interface), sucessor do famoso EFI (Extensible Firmware Interface), cuja detentora é o Unified EFI Fórum.

 

 

BIOS

 

O BIOS é o padrão usado pelos PCs desde a sua criação, e remonta aos antigos computadores compatíveis com IBM e foi, durante cerca de vinte anos, o padrão nos computadores. Basicamente, o BIOS é um software especial, chamado de firmware, armazenado num chip especial e soldado na placa-mãe, chamado ROM (EEPROM atualmente).

 

2_bios_setup-720x405.jpg

 

As suas 3 principais funcionalidades são:

 

1 - Executar o POST (Power-On Self-Test): É verificado se os componentes instalados na placa-mãe funcionam, principalmente o processador e a(s) memória(s) RAM.

2 - Fornecer o IO (Input/Output) básico: Para que possam operar periféricos essenciais, como o teclado, monitor e portas série, possibilitando a execução de tarefas básicas.

3 - Inicializar: O BIOS tenta inicializar, a partir de dispositivos ligados (HDDs, SSDs, entre outros), o sistema operativo e garantir que este possa usar todos os componentes de hardware.

 

3_bios_start-720x458.jpg

 

Inicialmente não era possível escrever ou apagar a ROM, ou seja, o software não podia ser programado ou atualizado. Isso mudou e o BIOS passou a poder ser atualizada com o intuito de oferecer suporte a hardware mais recente e a ser programada para executar novas tarefas, mais específicas, como:

 

1 - Ligar/desligar portas USB, portas série ou portas IDE/SATA;

2 - Under/Overclocking de CPUs/RAMs;

3 - Regular os controladores da ventoinha da placa-mãe.

 

Desde a sua origem que o BIOS era limitada por 1 MB de memória e operava a 16-bit. Esta era uma limitação, nomeadamente quando se tratava de discos com mais de 2TB (Terabytes) porque só inicializava partições MBR (Master Boot Record). Além disso, a MBR apenas permite até 4 partições primárias.

 

Este problema tinha uma solução. Recorrendo ao GPT (GUID Partition Table) o problema de discos maiores que 2TB ficava resolvido, mas infelizmente o BIOS não suporta GPT. Isto significa que caso seja usado um disco de 3TB existem duas possibilidades:

 

===> Usar particionamento MBR: Desta forma é permitido inicializar um sistema operativo, mas serão apresentados no sistema apenas 2TB.

===> Usar particionamento GPT: Esta opção está fora de questão, pois o BIOS não o suporta.

 

Anteriormente já 

Hidden Content

    Give reaction or reply to this topic to see the hidden content.
 foi falado sobre as principais diferenças entre MBR e GPT.

 

4_-bios_vs_uefi-720x407.jpg

 

 

UEFI (A sucessora)

 

A UEFI é talvez um pouco mais para ser entendida como a pura substituta do BIOS, isto porque pode ser vista como mini sistema operativo, que fica por cima do hardware e do firmware.

 

Em vez de ser armazenada no firmware, como o BIOS, o código UEFI é armazenado no diretório /EFI/ na memória não-volátil. Assim, a UEFI pode estar na memória flash NAND, na placa-mãe, ou pode residir num disco rígido, ou até mesmo numa partilha na rede.

 

5_uefi_setup-720x405.jpg

 

Essencialmente, ela veio resolver o problema do BIOS. Pode dizer-se que a UEFI foi a segunda versão, tendo sido a antiga EFI a primeira. Muito provavelmente, se adquiriu um computador após 2010, terá já a UEFI em vez do BIOS.

 

Eis algumas das características que a UEFI disponibiliza a mais em relação à BIOS:

 

===> Inicializar mais rapidamente;

===> Inicializa discos maiores que 2TB, usando o sistema de partição GPT;

===> Fornece ao utilizador uma interface gráfica mais avançada;

===> Suporta a utilização de rato;

===> Inicialização segura (Secure Boot), proteção contra malware e rootkits, que operam em ambiente pre-boot;

===> Fornece uma interface modular, independente da arquitetura do CPU e também para aplicações e dispositivos baseados em drivers EFI (o chamado EBC – EFI Byte- Code).

 

6_uefi_model-720x462.jpg

 

Com a UEFI nasceu um novo método de inicialização, passando a existir dois modos:

 

===> Modo de UEFI: Mais recente, requer uma partição separada (partição EFI) onde os bootloaders são armazenados.

===> Modo de BIOS: Mais antigo, usado pela BIOS, o gestor de inicialização é armazenado, normalmente no início do discos.

 

Antes da UEFI, a única maneira de instalar um sistema operativo era o modo BIOS, mas, após a sua implementação, passou a ser o novo padrão selecionado. Com isto, criou-se uma confusão, pois um sistema operativo instalado no modo BIOS não pode ser inicializado utilizando o modo UEFI e vice-versa, sem modificar a instalação ou reinstalar todo o sistema. Por este motivo, a UEFI passou a suportar o modo “Legacy Mode”.

 

7_legacy_mode.jpg

 

O Legacy Mode opera como se fosse um BIOS. Serão perdidos quase todos os benefícios da UEFI, como o Secure Boot ou o Fast Boot, mas a interface gráfica do utilizador manter-se-á.

 

A única diferença é que a UEFI será capaz de inicializar a partir de discos MBR, sem ser necessária a partição EFI, e será capaz de inicializar instalações não-UEFI. Atualmente, a maioria das placas-mãe suportam já suportam este modo.

 

Para saber se o seu sistema operativo está instalado no modo UEFI ou Legacy siga os passos abaixo:

 

Windows: Use a ferramenta de gestão de discos para verificar se existe a “EFI System Partition” no disco onde o Windows está. Caso exista, o sistema foi instalado no modo UEFI, se não existir, foi instalado no modo Legacy.

 

Linux: Verifique se existe o ficheiro /sys/firmware/efi. Se existir, o sistema está instalado no modo UEFI.

 

O grande benefício da UEFI é ser capaz de operar lado a lado com o BIOS. A BIOS pode ser usada em dispositivos que não necessitem de grande capacidade armazenamento ou segurança, e está a desaparecer lentamente.

 

Qual é a vossa opinião sobre esta evolução? Quais são os recursos favoritos que mais apreciaram? E que vantagens/desvantagens acham existir? Deixem nos comentários a vossa opinião.

 

 

Hidden Content

    Give reaction or reply to this topic to see the hidden content.

  • Like 5

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...