Jump to content
GNMilasi

notícia 6 erros que as equipes de Suporte Técnico/Help desk cometem

Rate this topic

Recommended Posts

6 erros que as equipes de Suporte Técnico/Help desk cometem

 

Embora o serviço de suporte técnico de TI nas organizações consuma, em média, apenas 9% do centro de custos atual de todo o departamento de TI, ele é responsável por grande parte da percepção de valor por parte do usuário com o setor. Estima-se que 85% dessa percepção do usuário com os serviços de TI são originadas pelo serviço de helpdesk, logo, isso mostra o quão importante é transmitir um bom serviço para o cliente e que pequenas mudanças nessa área poderá impactar a experiência do usuário positivamente ao utilizar serviços informacionais.

 

Veja abaixo 6 erros cometidos pelas equipes de suporte e atue para ajustá-los!

 

bad-computer-tech.jpg

 

1- Corrigir a falha e não a causa

 

Como já dizia Confúcio: “Não corrigir falhas é o mesmo que cometer novos erros”. Uma máquina que sempre dá defeito, uma impressora que nunca imprime ou um access point que sempre trava podem consumir horas e horas de trabalho e técnicos diferentes em um período curto, e seus efeitos são inúmeros. Além de aumentar a fila de atendimento, a percepção de valor do cliente com o serviço cairá e o custo para uma solução definitiva provavelmente sairá menos custosa que todas as horas que seriam empregadas para resolver o problema de forma repetida.

Muitas das vezes pode ser difícil identificar causas raízes de falhas recorrentes de sistemas ou hardware, para isso existem ferramentas que nos auxiliam a encontrar a real causa como, por exemplo, diagrama de Ishikawa, técnica dos 5 porquês, teste de hipóteses e soluções conjuntas.

 

 

2- Aceitar gambiarras

 

Não é raro acharmos aquela gambiarra provisória que está intacta no mesmo lugar há mais de 5 anos. Muitas das vezes as gambiarras são usadas por falta de qualificação, não cumprimento das normas e falta de verba/tempo necessária(o) para aplicar a correção adequada. Gambiarras podem trazer danos irreparáveis à segurança da informação, equipamentos e até a integridade física das pessoas.

 

science_of_jugaar4.jpg

 

3- Pensar que cumprir a SLA já é o bastante

 

Recentemente um artigo excelente aqui no PTI explicou muito bem esse ponto (Tudo que você precisa saber sobre o que é XLA). É muito comum em ambientes de TI com maior controle, onde existe uma SLA bem formalizada e de conhecimento de todos os clientes e técnicos, julgar que atende-las é o bastante. Não adianta o cliente ser atendido a tempo e com a qualidade acordada se outros itens não estiverem satisfazendo. Imagine um restaurante com uma comida incrível, com excelentes pratos, tudo impecável, com exceção de um detalhe: você vê uma pequena barata num cantinho… Toda a sua experiência muda!

 

Olhar apenas analiticamente o SLA pode ser enganoso, devemos olhar toda a experiência do usuário durante o serviço e em todas as etapas e identificar para onde a percepção de valor está sendo canalizada.

 

 

4- Priorizar demandas de maneira inadequada

 

Determinar criticidade de incidentes vária de acordo com as organizações. A TI deve sempre determinar prioridade de atendimento de acordo com a visão de negócio da empresa. Para isso, devemos responder algumas perguntas chaves:

 

===> Quais são as áreas, atividades, funções e/ou cargos que não podem ficar sem os serviços de TI de forma alguma?

===> Para o caso específico de sua organização, o que configura um incidente como crítico: queda/indisponibilidade de serviço?

===> Afeta alguma área crítica?

===> Afeta a algum usuário/cargo específico?

 

Se um cliente interno solicitasse a troca de um cartucho de impressora, qual grau de prioridade daria ao chamado aberto? Se sua resposta foi depende, você está certo. Um problema simples como esse pode causar sérios prejuízos, e se essa impressora ficasse em um guichê de liberação de frota de uma empresa de um grande centro de distribuição? Imagine a situação desse chamado ser considerada de prioridade normal ou baixa com SLA de 12 horas.

 

 

5- Não se atentar a métricas

 

Apesar de falarmos no item 3 sobre isso, as métricas são importantes ferramentas para a gestão do departamento de TI da organização e, além disso, é uma excelente forma de mensurar um pouco do trabalho de cada técnico a fim de uma autopercepção que condiz com a realidade. Ela poderá fazer com que você reconheça seus pontos fortes e fracos e também permitirá uma reação mais ágil conforme seus indicadores mudem.

 

 

6- Falta de base de conhecimento

 

Os técnicos não devem perder tempo solucionando casos que já foram previamente solucionados por outro técnico. Tenha uma base de conhecimento própria para seus técnicos, documente os possíveis incidentes para que quando o problema venha a se repetir sua resolução seja incisiva, restabelecendo o serviço o mais rápido possível, minimizando assim o impacto negativo sobre o negócio. Há diversas bases de conhecimento prontas na internet, porém, elas dificilmente terão o mesmo efeito de uma solução caseira. Lembre-se que cada organização tem incidentes diferentes.

 

Ter uma rica base de conhecimento é muito importante para o dia a dia do atendimento, ela entrega maior agilidade ao técnico com sua resolução incisiva restabelecendo o serviço da maneira mais rápida possível minimizando assim o impacto negativo sobre o negócio. Ela pode ser elaborada de diversas maneiras, seja em uma página restrita na web, planilhas, papel ou diretamente no seu software de help desk. Instrua seus técnicos a participarem desse processo de alimentação e que consultem ou alterem quando necessário.

 

Para manter a equipe de suporte relevante e entregando valor ao cliente devemos sempre compreender seu funcionamento e buscar melhores experiências ao usuário.

 

 

Fonte

  • Like 10

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ainda não tinha-me dado conta, agora vejo que cometo quase todos erros, valeu pela dica.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By raphael jonhy de lima tito
      Placa positivo pih55bo funciona com placa onboard mas, ao colocar minha rx570 nova liga mas não dar imagem, oq pode ser?
      Sistema: windows 7 64bits
      Placa: Positivo pos-pi55bo 
      Processador: core i3 550 3.20Ghz
      Memória 6gb ddr3
      Bios versão: 0102
      Fabricante: positivo informática SA(American megatronic)
       

    • By eliasgirardi
      Dos temas à busca de arquivo: relembre as funções que deixaram saudades nos usuários.
       

      windows-xp-tema-clássico — Foto: Reprodução
       
      O Windows XP foi um dos sistemas operacionais mais bem-sucedidos da Microsoft e que ficou conhecido por ser "queridinho" dos usuários. Na época, ele se destacou por ter sido um dos sistemas mais bonitos, ágeis e seguros que a empresa havia criado até então. Essa versão tinha grandes diferenciais no design e ficou marcada pelo clássico papel de parede Bliss, com a foto de uma colina verde. Além disso, teve variantes de 32bits e 64 bits e uma arquitetura que não era baseada no MS-DOS, como os modelos anteriores, o que garantia maior estabilidade e velocidade.
       
      Lançado em 25 de outubro de 2001, o sistema foi encerrado em 2014, quando a fabricante terminou o suporte. A seguir, relembre seis funções de destaque do Windows XP e que ajudaram o sistema a ser um sucesso no mundo todo.
       
      1. Temas e personalização
       
      O visual do Windows XP era uma das características que mais chamava a atenção. O sistema trouxe cores vibrantes, sombras e formas que tornavam a experiência de uso do computador bastante agradável, até mesmo com o tema padrão que tinha a barra azul. Além disso, uma de suas maiores revoluções foi a possibilidade de personalização. A partir do XP, os usuários puderam escolher entre usar tema moderno ou um clássico do Windows 95, com diversas opções de cores. Outra possibilidade era baixar e instalar novos temas para alterar cores, ícones e deixar o Windows do jeito que você quisesse.
       

      Zune: um dos temas mais conhecidos e usados do Windows XP — Foto: Reprodução/Wikipedia
       
      2. Windows Media Player
       
      O Windows Media Player tornou muito fácil a reprodução de músicas. O programa organizava a biblioteca do usuário e reproduzia formatos de áudio como mp3. Já quem quisesse ver filmes no PC, só precisava baixar o Media Player Classic ou VLC, dois reprodutores de vídeo que rodavam diversos tipos de arquivos. O Windows XP ainda foi produzido em uma arquitetura avançada para a época e podia, não apenas ler DVDs, mas também gravá-los. Para isso, bastava apenas um programa que “queimava” os discos, como o Nero.
       

      Um dos reprodutores mais úteis e utilizados no Windows XP — Foto: TechTudo
       
      3. Busca de Arquivos
       
      A Microsoft aprimorou a busca de arquivos ao longo das edições do Windows, mas no XP aconteceu o primeiro grande avanço da ferramenta. O sistema trouxe um recurso de busca textual que exibia uma gama de arquivos como resultado e ainda permitia a utilização de filtros fáceis. Sem dúvida, a função facilitou muito a vida dos usuários.
       

      Uma busca eficaz e com muitos filtros para facilitar a vida dos usuários — Foto: Reprodução/Edivaldo Brito
       
      4. Conectar e desconectar dispositivos sem reiniciar o PC
       
      O Windows XP foi desenvolvido sobre a proteção do Windows NT (New Tecnology). Um dos grandes avanços dessa estrutura era a desobrigação de reiniciar o computador após desconectar dispositivos, o que criava um ótimo ambiente para quem gostava de passar músicas por pen drive ou usar fones de ouvido, por exemplo. Além disso, para quem gostava de fazer dual boot, ou seja, usar um segundo sistema operacional no pendrive ou em partições do HD, essa potência toda do Windows XP acabava ajudando.
       

      Remoção de periféricos sem necessidade de reinicialização — Foto: Reprodução/TechTudo
       
      5. Ajuda com figurinhas animadas
       
      Um mago, um cachorro, um clipe de papel animado e outras figuras poderiam ser os guias de ajuda no Windows XP. A ferramenta clássica ficava em algum lugar do monitor para oferecer ajuda aos usuários. As figurinhas animadas se moviam, andavam e executavam ações inovadoras para os padrões da época, quase como versões primárias dos assistentes de voz que conhecemos hoje. Por isso, ficaram marcadas na memória de quem usou o sistema.
       

      O XP disponibilizava ícones que se mexiam para te ajudar nas tarefas — Foto: Reprodução/Computer Business Review
       
      6. Teclas de atalho
       
      As teclas de atalho se tornaram bastante populares no Windows XP e muitas ainda continuaram em pleno funcionamento ao longo das versões seguintes do sistema. Se você quisesse esconder alguma coisa, por exemplo, era só apertar a tecla do Windows e a letra D, ou a letra L: uma minimizava tudo, enquanto a outra jogava o usuário para uma área de escolha.
       

      Pressione as teclas de atalho para ativar a iluminação do teclado do notebook — Foto: Barbara Mannara/TechTudo
       
      7. Jogos - Pinball 3D
       
      O Windows XP trouxe diversos jogos que eram uma boa forma de se distrair offline. O Freecell e Paciência Spider tiveram grandes melhoras nos gráficos depois, mas o Pinball faz falta até hoje no Windows.
       

      Um dos jogos preferidos do windows XP — Foto: Reprodução/Fitzssimmons
       
      Fonte: https://www.techtudo.com.br/listas/2019/12/sete-funcoes-que-fizeram-sucesso-no-windows-xp.ghtml
       
    • By Daniel
      Sabemos que o EletrônicaBR tem milhares de esquemas, manuais, bios e outros, postados por mais de 3000 usuários ao longos dos anos.

      Aqui estão 5 bons motivos para avaliar e comentar todos seus downloads:

      1- Muitos aquivos não foram devidamente testados e confirmados. 
      2- Sua correta avaliação pode te render alguns joinhas, valiosos para um futuro download.
      3- A colaboração de todos é muito importante para mantermos um acervo enxuto,  funcional e atualizado.
      4- Se quem testa não deixa um feedback, todos corremos o risco de baixar um arquivo inútil, você pode ser o próximo. 😟
      5- Agora temos disponível um painel que facilita a análise dos aquivos que baixamos e não avaliamos. (Como acessar abaixo 👇)

      Clicando no menu Downloads -> Meus Downloads ou no perfil pode acessar o painel que é bem intuitivo.
       

       
       
    • By Daniel
      Deu um trabalhão instalar a iluminação de natal.
      Favor não quebrar as lampadas!

       

    • By eliasgirardi
      O processador comercial usado como base continuou funcionando perfeitamente após a deposição da segunda camada de circuitos. [Imagem: Youngbae Son/Rose Anderson/Peterson Lab]
       
      Eletrônica 3D
       
      Os circuitos integrados de silício, como os processadores de computador, estão se aproximando da densidade máxima viável de transistores, por isso qualquer nova ideia é bem-vinda.
       
      Como esses chips atuais são tipicamente bidimensionais, com os transistores fabricados sobre uma placa plana de silício, há tempos se vem trabalhando com componentes tridimensionais, como os transistores 3D e até transistores 4D.
       
      Isso tem ajudado, mas as técnicas de fabricação são complicadas e caras, e não se aplicam a todos os componentes eletrônicos.
       
      Para contornar esses inconvenientes, Youngbae Son e colegas da Universidade Michigan, nos EUA, criaram uma tecnologia muito mais simples: Usar a mesma tecnologia atual para empilhar uma segunda camada de transistores diretamente em cima de um circuito integrado já pronto, criando não componentes 3D, mas uma "eletrônica 3D".
       
      Eles conseguiram isso usando um tipo diferente de semicondutor, conhecido como óxido de metal amorfo. Para aplicar essa camada de semicondutor ao chip de silício sem danificá-lo, eles cobriram o chip com uma solução contendo zinco e estanho e o giraram para criar uma camada uniforme.
       
      Depois que essa camada secou em um forno, o processo foi repetido para formar uma camada de óxido de zinco-estanho com cerca de 75 nanômetros de espessura. Durante o aquecimento final, os metais se ligaram ao oxigênio no ar, criando uma camada de óxido de zinco-estanho, que foi usada para criar os transistores por litografia tradicional.
       
      Esses transistores suportam tensões mais altas do que os transistores de silício abaixo.
       

      Componentes à base de óxidos também podem funcionar em modo analógico, abrindo caminho para processadores neuromórficos. [Imagem: Youngbae Son et al. - 10.1038/s41928-019-0316-0]
       
      Integração monolítica
       
      Embora também não possa ser aplicado em todos os casos, esse design permite eliminar a necessidade de um segundo chip para converter entre sinais de alta e baixa tensão, que atualmente fica entre os chips de processamento, de baixa tensão, e as interfaces de usuário, de alta tensão.
       
      Tensões mais altas poderiam danificar os transistores cada vez menores, o que fez com que os chips de processamento de última geração não sejam mais compatíveis com os componentes de interface de usuário de alta voltagem, que precisam funcionar com tensões mais altas para evitar efeitos como sinais de toque falsos ou configurações de brilho muito baixas em monitores.
       
      Como a segunda camada de transistores pode suportar tensões mais altas, eles essencialmente dão a cada transístor de silício seu próprio intérprete para conversar com o mundo exterior. Isso evita a custo atual de usar processadores de última geração com um chip extra para converter sinais entre o processador e os dispositivos de interface - ou usar um processador de nível inferior que roda com uma voltagem mais alta.
       
      Segundo a equipe, seus protótipos abrem caminho para circuitos integrados de silício que vão além da Lei de Moore, trazendo as vantagens analógicas e digitais da eletrônica de óxidos para os chips de silício de última geração.
       
      Fonte: https://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=eletronica-3d-como-construir-chip-cima-outro&id=010110191206#.XepA94NKjIU

SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...