Jump to content
djsync

notícia Sensor sem bateria injetado com seringa monitora sua saúde

Rate this topic

Recommended Posts

Sensor injetável: Microssensores minúsculos o suficiente para serem injetados sob a pele prometem monitorar sua saúde no futuro.

Embora os sensores já estejam no limite da miniaturização, graças às tecnologias quânticas, faltava ainda um leitor sem fio sensível o suficiente para ler os dados coletados.

010110200120-microssensor-sob-a-pele.jpg

 

Conforme foram sendo miniaturizados, os sensores ficaram pequenos demais para conter uma bateria, exigindo leitores ultrassensíveis e operando muito próximo do implante.

É por isso que, até agora, os pesquisadores não tinham sido capazes de criar microssensores viáveis abaixo de 1 milímetro.

 

Este foi o avanço apresentado agora por Zhenya Dong, da Universidade Nacional de Cingapura, dando um passo essencial em direção à viabilização de pequenos implantes sob a pele para medir continuamente a glicose no sangue, a frequência cardíaca e outras condições fisiológicas.

010110200120-microssensor-sob-a-pele-1.jpg

 

Ponto excepcional

Dong e seus colegas desenvolveram uma nova maneira de medir o sinal gerado pelo sensor, calibrando o leitor sem fio para funcionar em um ponto excepcional - um estado especial em que o leitor se torna extremamente sensível a objetos próximos.

 

O resultado é que o leitor é tão sensível - três vezes mais sensível que os leitores existentes - que pode até ler os pequenos sinais que os microssensores submilimétricos emitem.

A equipe desenvolveu um protótipo funcional do leitor que pode ler um microssensor sem bateria, de 0,9 milímetro de diâmetro, que foi injetado sob a pele usando uma seringa. Em experimentos de laboratório, o leitor monitorou com precisão a taxa de respiração e a frequência cardíaca.

 

"Agora que comprovamos a viabilidade do nosso leitor, o próximo passo é desenvolver um conjunto de microssensores passivos (sem bateria) que possam monitorar vários parâmetros fisiológicos, como glicose, atividade bioelétrica e química do sangue," disse o professor John Ho, coordenador da equipe.

 

fonte: inovacaotecnologica

 

 

 

Edited by djsync
  • Like 1
  • Nice 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By Oliveira Tec
      amigos estou com esse nobreack q quando passa para modo bateria ele desliga e 1 minuto com a bateria boa em torno de 12,2v 
      ja coloquei uma bateria externa e mosmo a sim ele desliga ele fica apitando de 3 em 3 segundos ate dar 1 minuto.
      e alguem tem o esquema dele a pci é PCIV014843
    • By SystSoftPcCelTv
      Reinventando o computador: computação inspirada no cérebro para uma era pós-Lei de Moore
       
      À medida que a Lei de Moore chega ao fim com um limite para o número de transistores que cabem em um chip, um paradigma de computação neuromórfica inspirada no cérebro abre caminho com novas direções em hardware, algoritmos, arquiteturas e materiais de computação.
       

       
       
      WASHINGTON, DC, 15 de janeiro de 2020 - Desde a invenção do transistor em 1947, o desenvolvimento da computação viu uma duplicação consistente do número de transistores que podem caber em um chip. Mas essa tendência, conhecida como Lei de Moore, pode atingir seu limite, pois os componentes de tamanho submolecular encontram problemas com o ruído térmico, impossibilitando ainda mais o dimensionamento.
      Em seu artigo publicado esta semana na Applied Physics Reviews , da AIP Publishing, os autores Jack Kendall, da Rain Neuromorphics, e Suhas Kumar, da Hewlett Packard Labs, apresentam um exame completo do cenário da computação, concentrando-se nas funções operacionais necessárias para avançar o cérebro computação neuromórfica inspirada. O caminho proposto inclui arquiteturas híbridas compostas de arquiteturas digitais, juntamente com um ressurgimento de arquiteturas analógicas, possibilitadas pelos memristores, que são resistores com memória que podem processar informações diretamente onde estão armazenadas.
      "O futuro da computação não será colocar mais componentes em um chip, mas repensar a arquitetura do processador desde o início para simular como um cérebro processa informações com eficiência", disse Kumar.
      "Começaram a surgir soluções que replicam o sistema de processamento natural de um cérebro, mas tanto os espaços de pesquisa quanto os de mercado estão abertos", acrescentou Kendall.
      Os computadores precisam ser reinventados. Como os autores apontam, "Os computadores de ponta atualmente processam aproximadamente tantas instruções por segundo quanto um cérebro de inseto" e eles não têm a capacidade de escalar efetivamente. Por outro lado, o cérebro humano é cerca de um milhão de vezes maior em escala e pode realizar cálculos de maior complexidade devido a características como plasticidade e escarsidade.
      Reinventar a computação para emular melhor as arquiteturas neurais no cérebro é a chave para resolver problemas dinâmicos não-lineares, e os autores prevêem que a computação neuromórfica será disseminada no início desta década.
      O avanço das primitivas da computação, como não linearidade, causalidade e escarsidade, em novas arquiteturas, como redes neurais profundas, trará uma nova onda de computação que pode lidar com problemas de otimização com restrições muito difíceis, como previsão do tempo e seqüenciamento de genes. Os autores oferecem uma visão geral dos materiais, dispositivos, arquiteturas e instrumentação que devem avançar para que a computação neuromórfica amadureça. Eles emitem um plano de ação para descobrir novos materiais funcionais para desenvolver novos dispositivos de computação.
       
      O artigo "Os blocos de construção de um computador inspirado no cérebro" é de autoria de Jack D. Kendall e Suhas Kumar. O artigo foi publicado na revista Applied Physics Reviews em 14 de janeiro de 2020 
       
      fonte : https://www.eurekalert.org/pub_releases/2020-01/aiop-rtc011520.php#
    • By Gilson Macedo
      Circuito bem pouco comentado em eletrônica, mas muito importante no start de uma placa. Na verdade tudo começa por esse circuito, se não houver esse cristal oscilando, e se a frequência de 32K não estiver correta, é bem pouco provável que a a placa ligue, já que esse circuito alimenta uma parte do bga encarregado de guardar as informações do CMOS setup.
       
    • By DigitalZone Info
      Boa tarde à todos!
       Estou com este nobreak na bancada com um mosfet queimado (IRFS7537), troquei e continua com o mesmo sintoma: não importa se está ligado na rede ou não, se conecto antes ou depois na tomada, ele sempre fica em modo bateria e não carrega as baterias. Está segurando carga normalmente, mas não carrega e nem arma o modo rede.
       Se ligar ele sem as baterias ele fica com uma luz roxa mas não dá tensão nas saídas, se conectar as baterias com ele ligado, ele desarma. 
    • By fabiomaua
      Ola a todos
       
      Estou com um Dell Inspiron 3420 que o cliente reclamou que não está detectando a bateria. Pois bem, mesmo sem reconhecer a bateria ele funciona perfeitamente estando fora da tomada.
      Atualizei a bios e nada. Eu não conheço do circuito que carrega a bateria, então precisaria saber se existe alguma apostila ou dica que eu possa me basear pra encontrar o que ocorre com esse notebook.
       
      Deixo imagens do circuito dessa placa
       
      Grato

SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...