Jump to content
eliasgirardi

notícia Eventos acima da velocidade da luz unificam Física Quântica e Relatividade

Rate this topic

Recommended Posts

010130200403-mecanica-quantica-derivada-da-relatividade.jpg

A evolução das probabilidades e os fenômenos "impossíveis" da Mecânica Quântica podem ter suas origens na Teoria Especial da Relatividade - pelo menos tudo fica menos estranho. [Imagem: FUW]

 

Unificação da Mecânica Quântica com a Teoria da Relatividade

 

Por quase cem anos, a Mecânica Quântica aguarda uma teoria mais profunda para explicar a natureza de seus fenômenos misteriosos. E, sonho de todos os físicos, talvez uma teoria que a unifique com a Teoria da Relatividade.

 

Se o raciocínio apresentado agora pelos físicos Andrzej Dragan (Universidade de Varsóvia) e Artur Ekert (Universidade de Oxford) resistir ao escrutínio de seus colegas de todo o mundo, a história pode estar muito bem prestes a pregar uma peça cruel em todos esses físicos, de todas as gerações desde Einstein.

 

A "teoria desconhecida" procurada há décadas, explicando a singularidade da Mecânica Quântica - com o perdão do trocadilho -, seria derivada da Teoria da Relatividade, e não o contrário.

Hoje, a maioria dos físicos aceita que a descrição da realidade feita pela Mecânica Quântica seria mais fundamental, e que a Teoria da Relatividade teria que ser ajustada a ela.

 

Dragan e Ekert propõem que não, que as características mais importantes do mundo quântico podem resultar da Teoria Especial da Relatividade, que até agora parecia ter pouco a ver com a Mecânica Quântica.

 

010130200403-deus-joga-dados.jpg

A velocidade da luz ainda é um campo intrigante de pesquisas: pode ser possível superar a velocidade da luz e a velocidade da luz cai a zero em "pontos excepcionais", por exemplo, sem contar que diminuir a velocidade da luz já é um fato corriqueiro. [Imagem: ICFO]

 

Velocidade da luz

 

Desde o início, a Mecânica Quântica surpreende com sua peculiaridade, tão difícil de entender e conciliar com o que estamos acostumados no mundo cotidiano: Por que uma partícula passa por duas fendas simultaneamente? E por que uma partícula "tunela", atravessando uma barreira sólida, quando nós sempre damos dolorosamente com a cara na parede?

 

E o que realmente incomoda os físicos desde a elaboração da Mecânica Quântica e da Teoria da Relatividade é a incompatibilidade desses três conceitos - três, uma vez que existem duas teorias da relatividade: a especial e a geral.

 

Os dois físicos desenvolveram um modelo no qual eles provam matematicamente que as características da Mecânica Quântica que determinam sua singularidade e seu exotismo não-intuitivo - teoria que é aceita, além do mais, com base em axiomas, que muitos físicos preferem chamar de "fé" - podem ser explicadas dentro da estrutura da Teoria Especial da Relatividade, dispensando qualquer fé em pressupostos.

 

Einstein baseou a Teoria Especial da Relatividade em dois postulados. O primeiro é conhecido como o princípio da relatividade galileano (que, é importante notar, é um caso especial do princípio copernicano). Aquele princípio afirma que a física é a mesma em qualquer sistema inercial, isto é, seja em repouso ou em movimento retilíneo uniforme.

 

O segundo postulado, que Einstein considerava crucial e que foi formulado com base no famoso experimento Michelson-Morley - aquele que fez com que os físicos deixassem o éter de lado - impôs a exigência de uma velocidade constante da luz em todos os sistemas de referência.

 

010130200403-causa-e-efeito-quanticos.jpg

Vários experimentos já questionaram a sequência de causa e efeito no reino da física quântica. [Imagem: Universidade de Viena]

 

Causas sem efeitos e efeitos sem causas

 

A Teoria Especial da Relatividade é uma estrutura coerente que permite três tipos de soluções matematicamente corretas: um mundo de partículas se movendo a velocidades subluminais (abaixo da velocidade da luz), um mundo de partículas se movendo à velocidade da luz e um mundo de partículas se movendo a velocidades superluminais (acima da velocidade da luz).

 

Esta terceira opção sempre foi rejeitada porque, pela própria teoria, ela não teria nada a ver com a realidade, dado o pressuposto da velocidade máxima permitida no Universo, a da luz - exatos 299.792.458 metros por segundo.

 

"Nós nos colocamos a seguinte questão: O que acontece - por enquanto, sem entrar na fisicalidade ou não fisicalidade das soluções - se levarmos a sério não uma parte da Teoria Especial da Relatividade, mas toda ela, incluindo o sistema superluminal? Esperávamos paradoxos de causa-efeito. Em vez disso, o que vimos foram exatamente aqueles efeitos que formam o núcleo mais profundo da Mecânica Quântica," escrevem Dragan e Ekert.

 

Inicialmente, os dois físicos consideraram um caso simplificado, como é comum nessa parte da ciência: Um espaço-tempo com todas as três famílias de soluções, mas consistindo em apenas uma dimensão espacial e uma dimensão temporal (1 + 1). Nesse modelo, uma partícula em repouso em um sistema de soluções parece mover-se superluminalmente no outro, o que significa que a própria superluminosidade é relativa nesse quadro ampliado.

 

Em um continuum espaço-temporal construído dessa maneira, eventos não-determinísticos ocorrem naturalmente. Se, em um sistema no ponto A, houver a geração de uma partícula superluminal, mesmo completamente previsível, emitida em direção ao ponto B, onde simplesmente não há informações sobre os motivos daquela emissão, então, do ponto de vista do observador no segundo sistema, eventos se desenrolam do ponto B ao ponto A, de forma que eles emergem de um evento completamente imprevisível. Acontece que efeitos análogos também aparecem no caso de emissões de partículas subluminais.

 

Os dois físicos também demonstraram que, quando se levam em conta soluções superluminais, o movimento de uma partícula em múltiplas trajetórias simultâneas surge naturalmente, e uma descrição do curso dos eventos exige que se introduza uma soma de amplitudes de probabilidade combinadas que indicam a existência de superposição, um fenômeno até agora associado apenas à Mecânica Quântica, em que uma partícula pode estar em vários lugares ao mesmo tempo.

 

010130200403-metamaterial-testar-dimensoes.jpg

Os físicos estão usando metamateriais para saltar entre dimensões na estrutura do espaço-tempo. [Imagem: Cortesia Vytautas Navikas/EPFL]

 

Três dimensões do tempo

 

No caso do espaço-tempo com três dimensões espaciais e uma dimensão temporal (3 + 1), ou seja, correspondendo à nossa realidade física, a situação é mais complicada. O princípio da Relatividade em sua forma original não é preservado - os sistemas subluminal e superluminal são distinguíveis, sem superposição.

 

No entanto, os dois físicos notaram que, quando o princípio da Relatividade é modificado para uma forma definida como "A capacidade de descrever um evento de maneira local e determinística não deve depender da escolha de um sistema de referência inercial", então isso limita as soluções àquelas nas quais todas as conclusões da consideração no espaço-tempo (1 + 1) permanecem válidas.

 

"Nós notamos, aliás, a possibilidade de uma interpretação interessante do papel das dimensões individuais. No sistema que parece superluminal para o observador, algumas dimensões espaço-temporais parecem mudar seus papéis físicos. Somente uma dimensão da luz superluminal tem um caráter espacial - aquela ao longo do qual a partícula se move. As outras três dimensões parecem ser dimensões do tempo," contou Dragan.

 

Princípio quântico da Relatividade

 

Uma característica das dimensões espaciais é que uma partícula pode se mover em qualquer direção ou permanecer em repouso, enquanto em uma dimensão temporal ela sempre se propaga em uma direção - é o que chamamos de envelhecimento na linguagem cotidiana.

 

Assim, três dimensões temporais do sistema superluminal com uma dimensão espacial (1 + 3) significariam que as partículas envelheceriam inevitavelmente três vezes simultaneamente. O processo de envelhecimento de uma partícula em um sistema superluminal (1 + 3), observado a partir de um sistema subluminal (3 + 1), teria a aparência de uma partícula movendo-se como uma onda esférica, levando ao famoso princípio de Huygens (todos os pontos em uma frente de onda podem ser tratados eles próprios como uma fonte de uma nova onda esférica) e ao dualismo onda-partícula, cernes da teoria quântica.

 

E isso não é mais estranho do que a própria Mecânica Quântica, dizem os dois físicos.

 

"Toda a estranheza que aparece quando consideramos soluções relacionadas a um sistema que parece superluminal acaba por não ser mais estranha do que o que a teoria quântica geralmente aceita e experimentalmente verificada tem dito há muito tempo. Pelo contrário, levando em conta um sistema superluminal, é possível - ao menos teoricamente - derivar alguns dos postulados da Mecânica Quântica a partir da Teoria Especial da Relatividade, que não são geralmente aceitas como resultantes uma da outra, mas de outras razões mais fundamentais," concluiu o Dr. Dragan.

 

Fonte: https://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=eventos-acima-velocidade-luz-unificacao-fisica-quantica-relatividade&id=010130200403#.Xoc4dEBKjIU

  • Like 3
  • Nice 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By barbudoj
      Top de linha da Nvidia chega com nova arquitetura Ampere e impressiona com especificações
       
      GeForce RTX 3090 é a placa de vídeo top de linha da nova geração da Nvidia. Em torno de 2,5 vezes mais rápida do que a RTX 2080 Ti, a placa usa a nova arquitetura Ampere e, segundo a fabricante, tem poderio suficiente para encarar jogos em 8K a 60 fps. O modelo traz ainda reforços significativos em termos de rendimento na aceleração de Ray Tracing e na oferta de recursos exclusivos da Nvidia, como o DLSS 2.0.
       
      O preço, por sua vez, pode assustar: são US$ 1.499 (aproximadamente R$ 8.040), e o produto começa a ser vendido no próximo dia 24 de setembro. Confira a seguir mais detalhes a respeito da ficha técnica poderosa da RTX 3090 e saiba porque o lançamento da Nvidia é tão importante.
       

      GeForce RTX 3090 é a placa top de linha da nova geração da Nvidia — Foto: Reprodução/Nvidia
       
      Ficha técnica Nvidia GeForce RTX 3090:
       
      Lançamento: Setembro de 2020 Preço: US$ 1.499 (R$ 8.040) GPU: GA102 com 10.496 núcleos CUDA, 82 núcleos RT e 328 núcleos Tensor Velocidades: 1.400 MHz em clock base, turbo de até 1.700 MHz Memória RAM: 24 GB de GDDR6X a 19,5 Gb/s Interface de memória: 384 bits Largura de banda: 936 GB/s TBP: 350 Watts, requer fonte de 750 Watts  
      Especificações
      A GeForce RTX 3090 é a top de linha da nova família de placas da Nvidia, trazendo números que impressionam. No interior do processador gráfico há 10.496 núcleos CUDA de processamento, por exemplo.
       
      São esses que realizam o trabalho pesado da placa de vídeo e, quanto mais estiverem disponíveis, melhor: a GPU vai conseguir realizar mais trabalho ao mesmo tempo. As velocidades em que esse processador trabalha também impressionam. Segundo a Nvidia, a RTX 3090 de referência terá clocks de 1,4 GHz e que podem subir até 1,7 GHz com o turbo acionado.
       
      Outro item interessante é a memória, com 24 GB de RAM dedicada, em padrão GDDR6X, mais recente. Além disso, a interface utilizada é de 384 bits, ou seja, tem uma boa largura para mais transferir dados em menos tempo. A Nvidia fala em velocidades em torno de 936 GB/s entre os componentes.
       

      RTX 3090 chama atenção pela ficha técnica poderosa; novo design das placas Ampere também é destaque — Foto: Divulgação/Nvidia
       
      Outros números da top de linha também subiram em relação à geração anterior. O número de Tensor cores, os núcleos de inteligência artificial usados no DLSS – tecnologia revolucionária da Nvidia – subiu para 328. Esse recurso reconstrói uma imagem de menor resolução em alta a partir de inteligência artificial. Jogos que exploram a tecnologia podem rodar em Full HD internamente, mas visualizar o conteúdo em 4K – o que deve ficar mais fácil para a GPU com os núcleos específicos.
       
      Já o Ray Tracing também vai reforçado, com 82 núcleos RT. Com o poderio da placa em si e a possibilidade do DLSS 2.0, a RTX 3090 deve ter capacidade para rodar games em alta, mesmo mantendo uma boa resolução e fps elevado.
       
      Desempenho
       

      Placa aprimora o suporte ao DLSS 2.0 e Ray Tracing — Foto: Divulgação/Nvidia
       
      Todos os números anteriores indicam uma placa de vídeo poderosa. Segundo a Nvidia, a RTX 3090 deve entregar uma performance computacional bruta de 35 teraflops (TFLOPS), ou seja, 2,5 vezes mais performance em relação à RTX 2080 Ti, top de linha anterior da Nvidia. A nova placa também chega com desempenho 150% maior, algo interessante para rodar games com DLSS ativado.
       
      Já os ganhos de VRAM também são grandes, e a fabricante promete performance 52% superior em relação à opção premium anterior. As melhorias podem ser vistas ainda no Ray Tracing, que ganha com o número maior de núcleos RT: são 69 TFLOPS contra 34 TFLOPS na opção de arquitetura Turing.
       
      Consumo

      Segundo a Nvidia, seu PC precisa de fonte de 750 Watts para dar conta da RTX 3090 — Foto: Reprodução/Nvidia
       
      O custo de um hardware de alta capacidade e tantos componentes especializados está no consumo elétrico. A Nvidia aponta que para usar a RTX 3090 com segurança um computador deve contar com fonte de energia de 750 Watts.
       
      Em termos de consumo de energia, a Nvidia define o chamado TBP (sigla, em inglês, para “Energia Total da Placa”) em 350 Watts. Esse valor não é diretamente relacionado com o quanto a placa vai criar de despesa na sua conta de luz, já que o consumo é medido ao longo do tempo. Além disso, esse máximo reflete o pior cenário possível, ou seja, ter a placa sob um regime de alta demanda por um período prolongado de tempo.
       
      Tipos de uso
      A GeForce RTX 3090 é a placa gráfica mais poderosa do mundo na atualidade e seu principal cenário de uso é o gamer. O hardware de ponta da Nvidia deve funcionar como referência para quem deseja extrair o máximo dos grandes lançamentos de agora, assim como os títulos que chegarão nos próximos anos. A GPU deve ser suficiente para jogar em 4K sem problemas, além de encarar gráficos de realidade virtual ou até chegar aos 8K a 60 fps, pelo que promete a Nvidia.
       
      Além do uso em games, a placa se apresenta ainda como uma ferramenta poderosa nas mãos de profissionais de áreas de criação e de computação intensiva. Editores de vídeo, de imagens, quem faz modelagem em 3D, entre outros profissionais, podem tirar proveito do hardware poderoso da RTX top de linha para acelerar fluxos de trabalho e ganhar em produtividade.
       

      Placa da Nvidia é opção gamer para quem quer ter o melhor da tecnologia na atualidade, como ray tracing (RTX) e gráficos em 8K — Foto: Divulgação/Nvidia
       
      Outro cenário em que a RTX 3090 pode se sobressair é em aplicações de Inteligência Artificial. Equipada com hardware específico – os chamados Tensor cores – a placa conta ainda com a mesma arquitetura CUDA em que grande parte das ferramentas de processamento de IA são construídas na última década.
       
      Preço e concorrentes
      Ainda sem data e preço de lançamento no Brasil, a GeForce RTX 3090 estreia com preço sugerido de US$ 1.499 a unidade, valor que se traduz em R$ 8.040 na cotação atual. A placa chega ao mercado internacional no dia 24 de setembro.
       
      Em termos de concorrentes, é preciso considerar que a RTX 3090 não tem rival direta no mercado. As alternativas mais próximas são suas irmãs de arquitetura Ampere, como as RTX 3070 e RTX 3080. Outras alternativas são as RTX 2080 Ti, que podem inclusive ficar mais baratas nos próximos meses em virtude da nova geração. No Brasil, as opções mais em conta partem dos R$ 9.299 no momento. Já as RTX 2080 Super, um pouco abaixo em preço e hardware, aparece por cerca de R$ 6 mil no varejo nacional.
       
      Fonte: https://www.techtudo.com.br/noticias/2020/09/tudo-sobre-rtx-3090-conheca-a-placa-da-nvidia-que-roda-jogos-em-ate-8k.ghtml
       
       
       
       
    • By elias.girardi
      Equipamento ficou submerso na costa de Orkney, na Escócia, para testar sua eficiência energética nas profundezas do oceano; dos 855 servidores que funcionavam, apenas oito apresentaram defeitos.
       
      A Microsoft recuperou um data center que estava submerso há dois anos no fundo do oceano na costa de Orkney, na Escócia. O equipamento, desenvolvido para utilizar a baixa temperatura das águas profundas como sistema de refrigeração, foi removido para que sua eficiência energética pudesse ser testada. A iniciativa faz parte do Projeto Natick, e tem testado pequenos clusters de computação em nuvem localizados embaixo d’água para saber se a ideia é economicamente viável.
       
      Surpreendentemente, os primeiros resultados mostraram que os servidores armazenados no cilindro tiveram bem menos problemas do que os que ficam em data centers convencionais. “A taxa de falhas na água é um oitavo do que vemos em superfície”, informou o coordenador do Projeto Natick, Ben Cutler.
       
      Dos 855 servidores que funcionavam no data center, apenas oito apresentaram defeitos. “Nós acreditamos que tem a ver com essa atmosfera de nitrogênio que reduz a corrosão e é fria, e também por não ter pessoas batendo nas coisas”, completou Cutler.
       

      Segundo coordenador do projeto, data center submerso apresentou menos falhas do que os localizados na superfície. Crédito: Jonathan Banks/Microsoft
       
      Apesar de parecer uma tarefa difícil, os responsáveis pelo data center disseram que não houveram grandes complicações em manter a estrutura energizada no fundo do mar, nem mesmo com o fato de o abastecimento energético da região de Orkney ser totalmente verde, proveniente de energia eólica e solar.
       
      “Nós conseguimos funcionar muito bem no que a maioria dos data centers consideraria um grid não confiável. Esperamos poder olhar os resultados e afirmar que talvez não precisemos de tanta infraestrutura focada em energia e confiabilidade”, explicou Spencer Fowers, integrante do time técnico do projeto.
       
       
      Fonte: https://olhardigital.com.br/noticia/microsoft-recupera-data-center-que-estava-embaixo-d-agua-ha-dois-anos/106986
    • By HBs Dota 2
      Preciso do Driver que tem aqui no site mas nao consigo Baixar .. o que devo fazer pra ter creditos e poder baixar o Driver que preciso ..
      POSITIVO POS-EIB85CZ Versão 04.06.05 ou 41211BB8U

    • By Monica Sanchez
      O Windows 10 é lento: dizemos a você como melhorar o desempenho
       
      Se o seu Windows 10 está lento e você não sabe o motivo, não se preocupe, geralmente é um problema que podemos resolver de forma simples, rápida e sem ter que inserir configurações complicadas.
       
      1-. Faça uma verificação completa em busca de malware
      Se o seu PC com Windows 10 estiver lento, uma das causas mais frequentes geralmente é uma infecção por malware. Nem todas as ameaças à segurança têm os mesmos efeitos e não o mesmo impacto, mas se nos deparamos com esta situação e não encontramos, a priori, uma explicação razoável, a primeira coisa a fazer é analisar o sistema.
       
      2.-Desative a inicialização rápida do Windows 10
      Sei que pode parecer contraditório, mas a verdade é que é uma solução que funcionou em muitos casos, tenho evidências disso de pessoas próximas a quem ajudou a resolver problemas de lentidão no boot do sistema operacional. Para consertar, basta desabilitar a inicialização rápida. É muito simples, basta entrar no Painel de Controle e seguir o caminho Hardware e Sons> Opções de Energia> Alterar as ações dos Botões Iniciar e Desligar. Na imagem em anexo você pode ver a caixa que devemos desativar.
       
      3.-Desative os aplicativos que carregam na inicialização
      É o usuário quem deve determinar quais aplicativos deseja iniciar o carregamento e quais não. Veja como você pode desativá-los:
          Pressione a tecla Windows e digite “Gerenciador de Tarefas”.
          Vá para a guia «Iniciar», clique com o botão direito nos programas que deseja desabilitar e pronto.
          Você pode reativá-los a qualquer momento, repetindo este processo.
          Os programas que carregam na inicialização podem ter um impacto baixo, médio ou alto no tempo de inicialização e alguns podem aparecer como "não medidos".
       
      4.-Otimizar unidades de armazenamento
       
      5.-Elimine aplicativos inúteis que permanecem em segundo plano
      Se quisermos nos livrar deles para sempre, teremos que eliminá-los, um processo muito simples:
          Pressione a tecla Windows e digite “Adicionar ou Remover Programas”.
          Selecione os aplicativos que deseja desinstalar clicando neles.
       
      6.-Você tem espaço livre em suas unidades de armazenamento?
      Podemos liberar espaço de várias maneiras, mas aqui estão três das mais eficazes.
          Opção 1: pressione a tecla Windows e digite "Limpeza de disco". Isso nos permitirá acessar uma ferramenta do Windows 10 para liberar espaço diretamente na unidade de armazenamento que desejamos. Uma vez lá dentro escolhemos o conteúdo que queremos deletar e pronto, o processo é automático.
          Opção 2: usamos a função "Espaço livre agora". Para fazer isso, pressione a tecla Windows e digite "Configurações de armazenamento", entre em "Liberar espaço agora" e escolha todos os dados que deseja excluir. A quantidade de espaço liberado pode variar muito de computador para computador.
          Opção 3: podemos nos livrar dos aplicativos que não usamos mais seguindo o processo que indicamos acima, ou seja, usando "Adicionar ou Remover Programas".
       
      7.-Mantenha os drivers atualizados e, se nada funcionar, considere a reinstalação

SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...