Jump to content
Supporte

notícia Free Fire Max: o que é rumor e dados confirmados sobre o beta e download

Rate this topic

Recommended Posts

Posted (edited)

Versão "turbinada" do Battle Royale da Garena ainda está em fase de testes e não tem data de lançamento

 

O Free Fire Max é a versão “turbinada” do Battle Royale da Garena, que ainda não tem uma data de lançamento definida. Malásia, Bolívia e Vietnã foram os três países que recentemente passaram a ter acesso ao beta do game, mas a desenvolvedora ainda não confirmou data dos testes no Brasil. Também não foram divulgados oficialmente quais celulares que vão rodar Free Fire Max ou como fazer o download do APK por aqui. Desvende, a seguir, o que é rumor e o que já está confirmado sobre o novo game.

Vale lembrar que o Free Fire original está disponível para baixar no Android e iPhone (iOS), e no PC, por meio dos emuladores Bluestacks, LDPlayer e MSI App Player.

Free Fire Max inicia nova fase beta para Android e iPhone em mais países

 

f7921362a14c9e8909a550289b190a5a.jpg

 

Beta no Brasil vai acontecer em breve?

Embora o Brasil seja um dos principais mercados do Free Fire, a Garena ainda não confirmou o beta da versão “turbinada” por aqui. No entanto, uma página da Google Play Store descoberta recentemente pela comunidade pode indicar que a desenvolvedora está selecionando jogadores para participar da versão de teste do Free Fire Max.

Na página, que dá detalhes e imagens sobre a nova versão do Free Fire, os jogadores podem manifestar interesse clicando em “Participar dos testes”. Entramos em contato com a desenvolvedora para apurar acerca dos supostos testes, mas a desenvolvedora não confirmou que a inscrição é oficial e nem se todos que manifestarem interesse para o período de avaliação serão selecionados.

 

screenshot-2020-10-06-garena-free-fire-m

 

 

A Garena ainda não revelou quais celulares vão rodar FF Max em sua versão final. Como o jogo está em fase de testes e desenvolvimento, ainda não existe uma lista fechada de aparelhos compatíveis ou requisitos mínimos para download definidos. Conforme fontes internas explicaram ao TechTudo, as configurações mínimas serão definidas conforme os jogadores selecionados para os testes derem seus feedbacks.

Vale lembrar que o beta disponibilizado em junho de 2020 para celulares equipados com Android exigia no mínimo 2 GB de memória RAM. E em setembro de 2020 a fase de testes do Free Fire Max passou a ser compatível com iOS, a partir do iPhone 6S. Mas é provável que as exigências mínimas sofram alterações até o lançamento da versão final.

 

É seguro baixar o APK e OBB?

Não é seguro baixar o APK de fora do país e o OBB. Para testar antecipadamente a versão “turbinada” do Free Fire, jogadores com celulares Android têm recorrido ao download de APK e OBB (Opaque Binary Blob). Esses pacotes de arquivos permitem que usuários tenham acesso aos apps que não estão disponíveis na loja do Brasil.

Entretanto, o download desses arquivos pode trazer riscos de segurança para o dispositivo e as informações pessoais dos jogadores. A instalação pode explorar brechas no sistema operacional, além da possibilidade de virem acompanhadas de malwares ou vírus. Por exemplo, ao permitir o acesso a câmera e ao microfone, o jogador pode facilitar sua vigilância pelo APK.

 

unnamed.jpg

 

Além dos riscos relacionadas à segurança do celular, o uso dos arquivos do Free Fire Max pode acarretar na suspensão permanente da conta no Battle Royale. Ao baixar o APK e OBB e acessar o jogo, a Garena considera uma ruptura nos termos do usuário. As cláusulas indicam que o jogador só pode acessar o servidor referente ao país em que se encontra.

 

Fonte :Tecmundo

 

GOSTOU? DEIXA LIKE!

Edited by Supporte
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By elias.girardi
      O protótipo já foi testado em corações humanos isolados e em animais. [Imagem: Northwestern/George Washington universities]
       
      Eletrônica médica
       
      A eletrônica flexível está prestes a fazer sua estreia em uma área crucial, onde ela pode servir não para entretenimento ou computação, mas para salvar vidas diretamente.
       
      A equipe do professor John Rogers, pioneira no campo dos eletrônicos flexíveis, desenvolveu um balão cirúrgico contendo eletrônica flexível avançada que pode melhorar o diagnóstico e o tratamento de doenças cardíacas.
       
      Os catéteres-balão são frequentemente usados durante cirurgias minimamente invasivas ou procedimentos de ablação, onde servem para realizar medições ou desempenhar funções terapêuticas, sendo inseridos por meio de pequenas incisões. Mas eles também podem ser inseridos no coração para tratar arritmias cardíacas, localizando e removendo a região do tecido que causa a arritmia.
       
      Atualmente, no entanto, a maioria dos catéteres-balão é rígida, o que significa que não se adaptam bem às superfícies moles do coração. Além disso, esses dispositivos podem desempenhar apenas uma função por vez, exigindo que os médicos usem vários catéteres durante o procedimento.
       
      Usando sua experiência em eletrônica flexível e elástica, Mengdi Han e seus colegas criaram um sistema elástico que se adapta às superfícies do tecido, o que o permite funcionar simultaneamente como um dispositivo de diagnóstico e terapêutico.
       
      Catéter-balão para diagnóstico e terapêutica
       
      O dispositivo é feito de interconexões de ouro extensíveis ensanduichadas entre uma folha de poli-imida flexível para formar uma superfície que se deforma sem perder a funcionalidade. O catéter pode esticar até 30% nas duas direções sem causar danos ao material ou aos circuitos eletrônicos e sensores.
       

      Esquema dos circuitos e sensores e foto no detalhe de um dos chips incorporados no cateter. [Imagem: Mengdi Han et al. - 10.1038/s41551-020-00604-w]
       
      A equipe testou o catéter usando modelos computacionais, modelos de coração de plástico e corações humanos e de animais reais. Eles confirmaram que o catéter eletrônico flexível tem vantagens sobre os dispositivos médicos atuais, tanto na forma física quanto na funcionalidade.
       
      "Nós pegamos novos materiais inovadores e técnicas de fabricação normalmente empregadas pela indústria de semicondutores e as aplicamos ao campo médico, neste caso à cardiologia, para promover uma nova classe de instrumentos médicos que irão melhorar os resultados cardíacos para os pacientes e permitir que os médicos ofereçam cuidados melhores, um atendimento mais seguro e específico para o paciente," disse o professor Igor Efimov, membro da equipe.
       
      Fonte: https://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=eletronica-flexivel-rumo-salas-cirurgia&id=010110201028#.X5lb__lKgdU
    • By kielkg
      Preciso do esquema Elétrico para identificar o CI PQ901, que tipo é e como achar ele pra comprar.
      Pois o mesmo esta com curto e não esta fazendo a placa ligar. Acende o led de carregamento da bateria, porem não liga.
      Alguém me ajude!!!
    • By djsync
      Ilustração da tela meta-OLED e da camada metafotônica de base, que melhora o brilho e as cores da tela.

       
      Tela de OLEDs
      Reaproveitando uma pesquisa para fazer painéis solares mais finos, pesquisadores criaram a base para fabricar telas de resolução ultra-alta. Essa potencial tela de OLEDs - diodos emissores de luz orgânicos - promete imagens mais brilhantes, com cores mais puras e mais de 10.000 píxeis por polegada - para comparação, os celulares mais modernos têm telas entre 400 e 500 píxeis por polegada.
       
      Ao trabalhar com eletrodos usados em painéis solares ultrafinos, pesquisadores da Universidade de Stanford desenvolveram uma nova arquitetura de OLED que reduz a espessura dos componentes e mantém sua alta eficiência energética. A equipe vinha trabalhando em uma tecnologia de metassuperfícies dinâmicas que controlam a luz com vistas a fabricar um painel solar ultrafino - metassuperfícies são superfícies cheias de ranhuras ou saliências que funcionam como antenas e espelhos para a luz.
       
      Ocorre que uma célula solar é como um píxel de tela funcionando ao contrário: Enquanto uma célula solar pega a luz e gera eletricidade, o píxel pega a eletricidade e gera a luz.
       
      "Nós tiramos vantagem do fato de que, em nanoescala, a luz pode fluir em torno dos objetos de modo parecido com a água," explicou o professor Mark Brongersma. "O campo da fotônica em nanoescala continua trazendo novas surpresas e agora estamos começando a impactar tecnologias reais. Nossos projetos funcionaram muito bem para células solares e agora temos a chance de impactar as telas da próxima geração."
       

      A tecnologia fotônica é a mesma dos metamateriais usados nos mantos de invisibilidade.
      [Imagem: Won-Jae Joo et al. - 10.1126/science.abc8530]
       
      Tela de metassuperfície
      A inovação crucial por trás do painel solar e do novo OLED é uma camada de metal reflexivo com ondulações em nanoescala, chamada metassuperfície óptica. A metassuperfície pode manipular as propriedades reflexivas da luz e, assim, permitir que as diferentes cores ressoem nos píxeis. Essas ressonâncias são essenciais para facilitar a extração de luz dos OLEDs.
      "Isso é semelhante ao modo como os instrumentos musicais usam ressonâncias acústicas para produzir tons bonitos e facilmente audíveis," comparou Brongersma.
       
      Ocorre que os emissores vermelhos, por exemplo, têm um comprimento de onda de luz maior do que os emissores azuis, o que, nos OLEDs RGB convencionais se traduz em subpíxeis de alturas diferentes. Isso é inconveniente porque, para criar uma tela plana, os materiais depositados acima dos emissores de luz devem ser dispostos em espessuras desiguais.
      O que a equipe criou foi um OLED no qual as ondulações da camada de base permitem que cada píxel tenha a mesma altura, facilitando o processo de fabricação.
       
      Em comparação com os OLEDs brancos filtrados por cor - como os que são usados nas TVs OLED -, os novos píxeis apresentaram uma pureza de cor mais alta e um aumento de duas vezes na eficiência de luminescência - uma medida de quão brilhante é a tela em comparação com quanta energia ela gasta. E, como são fabricados em nanoescala, eles permitem uma densidade de até 10.000 píxeis por polegada.
       
      A tecnologia foi repassada à Samsung, parceira da pesquisa, que agora está trabalhando em sua adaptação para a escala industrial.
       
      fonte: inovacaotecnologica
    • By elias.girardi
      O 6G exigirá células de rádio por todos os lados, o que implica em baixo consumo de energia e baixa emissão de campos eletromagnéticos. [Imagem: IPQ, KIT / Nature Photonics]
       
      6G
       
      As futuras redes sem fio de 6ª geração (6G) consistirão em uma infinidade de pequenas células de rádio que precisarão ser conectadas por links de comunicação de banda muito larga.
       
      Ainda não sabemos exatamente como serão esses equipamentos, que irão superar a tecnologia 5G, mas a transmissão sem fio em frequências terahertz (THz) representa um caminho particularmente atrativo e flexível.
       
      Engenheiros do Instituto de Tecnologia Karlsruhe, na Alemanha, apostam nessa solução e acabaram de dar uma demonstração de que as possibilidades de um 6G THz não ficam apenas na teoria.
       
      Tobias Harter e seus colegas desenvolveram um novo conceito para receptores terahertz de baixo custo que consistem em um único diodo combinado com uma técnica de processamento de sinais dedicada. Isso representa uma "célula de rádio" minimalista, capaz de operar com um consumo de energia mínimo e baixa emissão de campos eletromagnéticos.
       
      "Em seu núcleo, o receptor consiste em um único diodo, que retifica o sinal terahertz," diz Harter. O diodo é do tipo diodo de barreira Schottky, que oferece uma grande largura de banda e é usado como um detector para recuperar a amplitude do sinal terahertz.
       

      O rádio 6G é formado por um único diodo. [Imagem: Tobias Harter et al. - 10.1038/s41566-020-0675-0
       
      Retificação
       
      A grande dificuldade para a simplificação da tecnologia é que a decodificação correta dos dados exige o aproveitamento da fase dependente do tempo da onda terahertz, que geralmente é perdida durante a retificação.
       
      Para superar esse problema, Harter usou técnicas de processamento digital de sinais em combinação com uma classe especial de sinais de dados, para os quais a fase pode ser reconstruída a partir da amplitude por meio das chamadas relações de Kramers-Kronig - uma relação matemática entre a parte real e a parte imaginária de um sinal analítico.
       
      Em um experimento de prova de conceito, a equipe demonstrou uma transmissão recorde: uma taxa de dados de 115 Gbit/s e uma frequência portadora de 0,3 THz em uma distância de 110 metros.
       
      Fonte: https://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=redes-6g-receptores-terahertz&id=010150201026#.X5cx5PlKgdU
    • By Luiz Soares
      Bom dia, estou com esse note aqui e nada de áudio. instalei sistema novo, driver original e não reconhece, troquei o chip e permanece o erro. Alguém pode dar umas dicas?

SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...