Jump to content
Jaimeletron

notícia Interface permite sentir paredes e objetos sólidos na realidade virtual

Rate this topic

Recommended Posts

Redação do Site Inovação Tecnológica - 05/05/2020

 

 

Interface háptica

 

O protótipo é bem típico das tecnologias emergentes, ainda complicado e pouco prático.

Mas o conceito criado por Cathy Fang e colegas da Universidade Carnegie Mellon, nos EUA, tem potencial para dar um novo impulso aos sistemas de realidade virtual.

Trata-se de uma interface háptica que permite que o usuário dos ambientes imersivos sinta os objetos virtuais. E sinta com uma qualidade muito superior aos mecanismos vibratórios dos controles atuais.

 

A interface é composta por vários cordões presos à mão e aos dedos para simular a sensação de obstáculos e objetos. Ao bloquear os cabos quando a mão do usuário está perto de uma parede virtual, por exemplo, o dispositivo simula a sensação de tocar na parede.

Da mesma forma, o mecanismo permite que as pessoas sintam os contornos de uma escultura virtual, sintam resistência quando pressionam uma peça de mobiliário ou até dão um "toca aqui" para um personagem virtual.

 

"Achei que a experiência cria surpresas, como quando você interage com um corrimão e pode envolvê-lo com a mão," disse Fang. "Também é divertido explorar a sensação de objetos irregulares, como uma estátua."

 

Molas e travas

 

Outros pesquisadores já haviam usado cabos para criar feedback háptico em mundos virtuais anteriormente, mas os motores usados para controlar os cabos resultaram em aparatos pesados e dependentes de grandes baterias.

Em vez de motores, Fang usou retratores de mola, semelhantes aos vistos em chaveiros e crachás de identificação, ligados a um mecanismo de catraca que pode ser rapidamente travado por um controle acionado eletricamente. As molas mantêm as cordas esticadas e um mínimo de energia elétrica é suficiente para engatar a trava, o que resultou no uso de uma bateria pequena.

 

A equipe experimentou vários cabos e cordões e diferentes posicionamentos, concluindo que a fixação de um cabo em cada ponta de dedo, um na palma e outro no pulso, proporcionou a melhor experiência.

Apesar de parecer desajeitado, o protótipo pesa apenas 280 gramas, e Fang calcula que ele poderia seria fabricado em larga escala por menos de US$50.

 

Bibliografia:

Artigo: Wireality: Enabling Complex Tangible Geometries in Virtual Reality with Worn Multi-String Haptics
Autores: Cathy Fang, Yang Zhang, Matthew Dworman, Chris Harrison
Revista: Proceedings of th ACM Conference on Human Factors in Computing Systems
DOI: 10.1145/3313831.3376128

 

Fonte:

Inovação Tecnológica

https://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=interface-sentir-objetos-solidos-realidade-virtual&id=010150200505#.X6k7isJKhph

Interface sensorial para realidade Virtual.jpg

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By Robson Santana 2020
      Samfirm é um software muito conhecido para baixar Stock Roms (FIRMAWRE) Samsung. Um software muito eficiente mas que há algum tempo já não funciona mais, de maneira nenhuma. Assim que o SAMFIRM começou a apresentar "erros", (isso há mais de um ano atrás), era possível corrigi-los instalando três programas; o Microsoft Visual C++ 2008 e 2010 e o Microsoft Net Framework 3.5.  Mas até que parou de vez. (Pelo menos eu não achei mais nenhuma maneira em parte alguma de o SAMFIRM voltar a funcionar).  Mais alguns desenvolvedores "fabricaram" uma ferramenta bem parecida. Encontrei e baixei, testei e está funcionando muito bem. Fiz o upload dela. 
    • By djsync
      Píxel azul
      Pode ter sido vencido o último grande desafio para dar eficiência máxima aos monitores e telas que usam OLEDs, ou diodos emissores de luz orgânicos: Uma fonte de luz azul que alcança o mesmo desempenho das cores vermelha e verde.

       
      Chin-Yiu Chan e seus colegas da Universidade Kyushu, no Japão, sintetizaram OLEDs que produzem emissão de azul puro com alta eficiência, mantêm o brilho por tempos relativamente longos e não têm nenhum átomo de metal caro - um conjunto de propriedades nunca alcançado até agora.
       
      A inovação foi obtida quando Chan dividiu os processos de conversão e emissão de energia entre duas substâncias orgânicas diferentes.
      Ao contrário das tecnologias de LCD - o que inclui as telas de LEDs inorgânicos tradicionais -, que empregam cristais líquidos para bloquear seletivamente a emissão de uma luz de fundo filtrada cobrindo muitos píxeis, uma tela OLED usa píxeis separados de vermelho, verde e azul.
       
      Cada píxel pode ser completamente ligado e desligado individualmente, reduzindo o consumo de energia e produzindo pretos mais profundos, o que ajuda a melhorar a qualidade da imagem.
       
      Embora as telas de OLEDs disponíveis no mercado usem emissores azuis estáveis, baseados em um processo conhecido como fluorescência, eles apresentam uma eficiência máxima baixa. Os chamados emissores fosforescentes podem alcançar uma eficiência quântica ideal de 100%, mas geralmente apresentam tempos de vida operacionais mais curtos e requerem metais caros, como irídio ou platina.
       
      Hiperfluorescência
      O que Chan e seus colegas fizeram foi desenvolver duas moléculas orgânicas que emitem luz com base em um processo que a equipe chama de "fluorescência retardada termicamente ativada", que dispensa os átomos metálicos.
       
      Adotando uma estrutura que basicamente empilha dois componentes um em cima do outro, um feito de cada uma das moléculas, a emissão de luz praticamente dobra para a mesma corrente elétrica, um patamar de eficiência que a equipe chama de "hiperfluorescência".
       
      Além disso, a vida útil quase dobrou, com a equipe estimando que os dispositivos poderiam manter 50% de seu brilho por mais de 10.000 horas.
       
      "Embora isso ainda seja muito curto para aplicações práticas, o controle mais rígido das condições de fabricação geralmente leva a vidas úteis ainda mais longas. Portanto, esses resultados iniciais apontam para um futuro muito promissor para esta abordagem para finalmente obter um OLED azul puro eficiente e estável," disse o professor Chihaya Adachi, cuja equipe já havia desenvolvido os primeiros materiais orgânicos que brilham no escuro e um laser orgânico, ou O-Laser.
      Bibliografia:
       
      fonte: inovacaotecnologica.com.br
    • By alejeff
      ENGLEWOOD CLIFFS, NJ, 28 de dezembro de 2020 
      A LG Electronics apresentará suas primeiras TVs QNED Mini LED na CES 2021 virtual como sua oferta
      de produtos top de linha em sua linha de TVs LCD premium de 2021.
       
      As mais novas TVs da LG representam um salto gigante na qualidade de imagem da TV LCD. Graças às
      tecnologias de quantum dot e NanoCell com Mini LEDs como fonte de luz, o brilho e o
      contraste são muito superiores aos das televisões LCD convencionais. A linha 2021 inclui
      10 novos modelos 4K e 8K, cobrindo uma ampla gama de tamanhos de tela grande de até
      86 polegadas.

      Com o OLED no auge das ofertas de TV da LG com seus pixels auto-iluminados e controle
      de escurecimento independente, a chegada das Mini TVs LED QNED da LG oferece uma
      opção atraente para os consumidores. Graças a uma nova estrutura de painel aprimorada
      pela avançada iluminação de fundo Mini LED da LG, essas TVs oferecem uma experiência
      de visualização verdadeiramente envolvente no espaço LCD. Como as primeiras TVs a
      combinar ponto quântico e tecnologia NanoCell em um produto, as TVs LED Mini QNED
      da LG produzem cores incrivelmente precisas, enquanto a retroiluminação LED avançada
      oferece melhor contraste e pretos mais profundos para imagens de vibração e realismo
      excepcionais. E com uma taxa de atualização de até 120 Hz, essas TVs processam o
      movimento de maneira mais suave e natural.

      A inovadora iluminação de fundo Mini LED da LG compreende até quase 30.000
      minúsculos LEDs que produzem incrível brilho de pico e uma relação de contraste de
      1.000.000: 1 quando combinada com até 2.500 zonas de dimerização e tecnologia de
      dimerização local avançada. Isso resulta em excelente qualidade de imagem HDR com
      contraste e pretos incríveis, uma ampla gama de cores e incrível precisão de cores. Para
      imagens incrivelmente realistas que parecem ultrapassar os limites da tela e entrar no
      espaço do usuário, não é difícil ver por que o LG QNED Mini LED é a nova TV LCD a ser
      batida.

      Fonte https://ces2021.lgusnewsroom.com/ .
    • By Jerlly
      Driver Impressora HP 710C

      Demorei mas consegui achar o pach do windows com os drivers dessa impressora antiga para os sistemas operacionais x64: Windows 7,Windows 8,Windows 8.1 and later drivers,Windows Server 2008 R2,Windows Server 2012,Windows Server 2012 R2 and later drivers
       
      Baixe direto os catálogos no site 
      You are not allowed to view links. Sign in or sign up. - extraia os arquivos>vá em gerenciador de dispositivo e atualize o driver da impressora com esses arquivos.
       

SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...