Jump to content
elias.girardi

notícia Medir o tempo aumenta entropia do Universo

Rate this topic

Recommended Posts

010165210511-relogio-precisao-energia.jpg.44365ea9c10314093df3459da32986a4.jpg

Esta descoberta afeta não apenas o entendimento do tempo, mas também tecnologias como GPS, computadores quânticos, relógios atômicos e muito mais. [Imagem: Lancaster University]

 

Quanto mais quente o relógio, maior sua precisão

 

O que é o tempo tem sido um dos maiores enigmas enfrentados pelos filósofos desde tempos imemoriais - e, mais recentemente pelos cientistas.

 

Embora não sejam capazes de responder à questão - se é que ela poderá ser um dia respondida - os físicos encontraram uma maneira bem prática de lidar com ela, empregando o que hoje conhecemos como Segunda Lei da Termodinâmica.

 

Segundo essa abordagem, o nível de desordem do Universo - sua entropia - sempre aumenta, com as coisas ampliando seu nível de desordem em uma escala tal que é impossível reverter. Essa é a tal "seta do tempo", que explicaria porque sempre vamos do passado para o futuro, e nunca de volta.

 

Assim, medir o tempo seria unicamente uma questão de medir a entropia.

 

Esse ponto de vista acaba de receber um reforço experimental inédito, graças ao trabalho de Anna Pearson e colegas da Alemanha e do Reino Unido.

 

Anna bolou um experimento que demonstrou que, quanto mais energia um relógio consome, ou seja, quanto mais entropia ele gera, maior será sua precisão na marcação do tempo.

 

Custo termodinâmico da medição do tempo

 

Para estabelecer essa ligação fundamental entre consumo de energia e precisão na medição do tempo, Anna construiu um relógio particularmente simples, constituído por uma membrana vibrante ultrafina, com algumas dezenas de nanômetros de espessura e 1,5 milímetro de comprimento, incorporada a um circuito eletrônico.

 

Quando a membrana é aquecida ela vibra, marcando o tique-taque do relógio, enquanto o fluxo completo de energia através do dispositivo é medido eletricamente pelo circuito.

 

O que Anna descobriu é que, quanto mais calor ela fornecia ao relógio, maior era a precisão alcançada na marcação do tempo. Na verdade, a precisão mostrou-se diretamente proporcional ao calor liberado - por exemplo, para tornar o relógio duas vezes mais preciso, é necessário fornecer o dobro de calor.

 

O experimento também mostra uma semelhança entre o funcionamento de um relógio e de uma máquina a vapor: Assim como acontece no motor termal, há uma restrição fundamental quanto à quantidade de calor que devemos fornecer para fazer uma quantidade desejada de trabalho.

 

Essa restrição é a famosa Segunda Lei da Termodinâmica, que é fundamental para a engenharia moderna. E o que este experimento sugere é que os relógios, assim como os motores, são limitados pela Segunda Lei, com a distinção de que sua saída são tiques precisos, em vez de trabalho mecânico.

 

"A disciplina da termodinâmica, que incorpora os princípios mais fundamentais da natureza, nos diz que existem dois tipos de máquina que não podemos operar sem liberar calor. Um é o motor mecânico, que libera calor para fazer trabalho, e o outro é a memória de computador, que libera calor ao se reescrever. Este experimento - em conjunto com outros trabalhos - sugere que os relógios também são limitados pela termodinâmica. Ele também levanta uma questão intrigante: Todos os relógios possíveis são limitados dessa forma, ou é apenas uma propriedade desses que estudamos?" ponderou o professor Edward Laird, membro da equipe.

 

010165210511-relogio-precisao-energia-1.jpg.63c906b524f7456f82dd8522ffb833a4.jpg

O que o experimento demonstra é que medir o tempo está sujeito às mesmas leis que fazer um motor funcionar. [Imagem: A. N. Pearson et al. - 10.1103/PhysRevX.11.021029]

 

Aumentar a entropia do Universo

 

Compreender o custo termodinâmico envolvido na medição do tempo tem largas implicações teóricas e práticas.

 

Além de colocar mais uma peça no quebra-cabeças da questão sobre o que é o tempo, este resultado tem implicações diretas no desenvolvimento de tecnologias cujas dimensões se aproximam do reino quântico.

 

E não são só os relógios atômicos que terão que levar em conta esse eventual novo limite fundamental, mas todos os computadores eletrônicos e quânticos, para os quais temperatura de operação e precisão são fatores cruciais.

 

"Ao medir o tempo, estamos aumentando a entropia do Universo. Quanto mais entropia há no universo, mais perto ele pode estar de sua eventual extinção. Talvez devêssemos parar de medir o tempo," brincou a professora Natalia Ares, coordenadora da equipe. Mas a escala da entropia adicional imposta pelos relógios é tão pequena que não há necessidade de se preocupar, acrescentou ela.

 

Fonte: https://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=descoberta-conexao-fundamental-entre-medicao-tempo-entropia&id=010165210511

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By elias.girardi
      O primeiro módulo do maior ímã do mundo (esquerda) e sua aparência quando estiver totalmente montado (direita). [Imagem: General Atomics]
       
      Maior ímã do mundo
       
      O maior ímã do mundo está pronto para seguir rumo ao seu destino, o ITER (International Thermonuclear Experimental Reactor).
       
      Após uma década de projeto e fabricação, a empresa General Atomics divulgou que irá enviar o primeiro módulo do Solenoide Central, o ímã mais poderoso já construído, que se tornará um componente central do ITER, uma máquina projetada para replicar o poder de fusão nuclear que ocorre nas estrelas.
       
      Este experimento de fusão nuclear está sendo erguido na França por uma colaboração de 35 países parceiros: União Europeia (mais Reino Unido e Suíça), China, Índia, Japão, Coreia do Sul, Rússia e Estados Unidos.
       
      Seu objetivo é provar que a energia da fusão do hidrogênio pode ser criada e controlada na Terra. A energia da fusão nuclear não tem os mesmos riscos dos atuais reatores de fissão nuclear, não polui o meio ambiente e tem potencial para suprir a necessidade de energia da sociedade por milhões de anos.
       

      Existem propostas alternativas, como a fusão nuclear feita em um equipamento de mesa. [Imagem: Y. Zhang et al. - 10.1103/PhysRevLett.122.135001]
       
      Solenoide Central
       
      O Solenoide Central, o maior dos ímãs do ITER, será composto por seis módulos. Quando totalmente montado, ele terá 18 metros de altura, 4,25 metros de largura e pesará mil toneladas.
       
      A força magnética do Solenoide Central é suficiente para levantar um porta-aviões 2 metros no ar. Em seu núcleo, ele atingirá uma força de campo magnético de 13 Teslas, cerca de 280.000 vezes mais forte do que o campo magnético da Terra.
       
      As estruturas de suporte do eletroímã terão que suportar forças iguais ao dobro do empuxo de uma decolagem dos foguetes que levavam ao espaço os ônibus espaciais.
       
      Ele deverá induzir uma poderosa corrente de plasma no interior do reator, chamado tokamak, ajudando a moldar e controlar a reação de fusão, impedindo que ela derreta o próprio reator.
       
      O primeiro módulo está pronto e será embarcado de navio dos EUA para a França. Cinco módulos adicionais, mais um sobressalente, já estão em vários estágios de fabricação - o Módulo 2 deverá ficar pronto em agosto.
       
      Ímãs no tokamak
       
      A criação de campos magnéticos em um tokamak requer três arranjos complementares de ímãs. Bobinas externas ao redor do anel do tokamak produzem o campo magnético toroidal, confinando o plasma dentro do reator. Bobinas poloidais, um conjunto de anéis empilhados que orbitam o tokamak paralelamente à sua circunferência, controlam a posição e a forma do plasma.
       
      No centro do tokamak, o Solenoide Central usa um pulso de energia para gerar uma poderosa corrente toroidal no plasma que flui ao redor do toro. O movimento dos íons nessa corrente, por sua vez, cria um segundo campo magnético poloidal que melhora o confinamento do plasma, além de gerar calor para a fusão.
       
      Juntos, os ímãs do ITER criam uma gaiola invisível para o plasma que se adapta precisamente às paredes de metal do tokamak. Com 15 milhões de amperes, a corrente de plasma do ITER será muito mais poderosa do que qualquer coisa possível nos tokamaks atuais.
       
      O material supercondutor usado nos ímãs do ITER foi produzido em nove fábricas em seis países. Os 43 quilômetros de supercondutores de nióbio-estanho para o Solenoide Central foram fabricados no Japão.
       

      Este esquema mostra o Solenoide Central (coluna azul e amarelo) no centro do reator de fusão nuclear do ITER. A área rosa em torno dele é o plasma, girando dentro do toro. [Imagem: ITER]
       
      Como funcionará a fusão nuclear no ITER
       
      Para que o ITER funcione, uma pequena quantidade de gás deutério e trítio, que são isótopos do hidrogênio, é injetada no tokamak, uma grande câmara de vácuo em forma de anel.
       
      O hidrogênio é aquecido até se tornar um plasma ionizado, que parece uma nuvem. Os ímãs supercondutores integrados ao tokamak confinam e moldam esse plasma ionizado, mantendo-o afastado das paredes de metal do reator.
       
      Quando o plasma de hidrogênio atinge 150 milhões de graus Celsius - dez vezes mais quente do que o núcleo do Sol -, uma pequena quantidade de massa é convertida em uma grande quantidade de energia (E = mc2) conforme os átomos de hidrogênio se fundem.
       
      Nêutrons de ultra-alta energia, produzidos pela fusão, escapam do campo magnético e atingem as paredes de metal do tokamak, transmitindo sua energia para as paredes na forma de calor. A água que circula nas paredes do tokamak recebe esse calor e o converte em vapor. Em um reator comercial, esse vapor acionará turbinas para produzir eletricidade.
       
      Finalmente, alguns nêutrons reagem com o lítio incorporado nas paredes do tokamak, criando mais combustível de trítio para a fusão.
       
      Fonte: https://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=ima-mais-poderoso-mundo-pronto-fusao-nuclear&id=010115210617
       
    • By Claudio dias dos santos
      Estou com essa TV com erro de Back ligth , piscando o led standby por 6x , verifiquei no status de erro via menu de serviços e tinha um histórico de 80 erros de Back ligth
      Bom, vamos lá nos testes já realizados. 
      1 - Inicialmente a TV não ligava, dando erro de 6 piscadas, identifiquei que o capacitor eletrolítico SMD 39uf x 50v que fica ao lado do conector dos leds estava fazendo um certo ruído ao ligar, após a troca passou a ligar de imediato.
      2 - percebi que o driver dos leds IC9500  ( BD9397 EFV ) estava aquecendo muito, resolvi trocar. porém não resolveu, a TV fica ligada por dias e depois volta a desligar com 6x piscadas ( cheguei a devolver ao cliente, funcionou por 5 dias e voltou a dar erro )
      3 - Desmontei o Back ligth e testei todos as barras de LED, não tem nenhum led com defeito ou com sinais de aquecimento ou mesmo diferença na tensão e corrente de todos eles estão iguais.
      4 - Troquei a fonte externa por segurança
      5  - Fiz uma medição completa nos resistores, diodos e capacitores no circuito do driver dos Led's, nada foi identificado de errado.
       
      A placa principal desta TV está impossível de encontrar, vou tentar revisar os contatos das barras e placa de conectores das barras, deixar ela ligada sem o display para verificar se identifico algum problema de aquecimento nas barras de led com a TV aberta.
       
      Caso alguém tenha alguma dica adicional para compartilhar , agradeço a colaboração de todos.   
       
       
       
       
    • By elias.girardi
      Recentemente, ganhou corpo na web a informação de que a Microsoft encerrará o suporte ao Windows 10 em 2025. Daqui a cerca de duas semanas, a Gigante de Redmond deve apresentar a próxima versão do sistema operacional, e "revelação" da data limite de suporte da edição atual foi vista como mais um indício do grande anúncio — essa informação, porém, não é nada nova.
       
      O dado de que o Windows 10 terá suporte oficial a ao menos um canal semestral de atualização até o dia 14 de outubro de 2025 é mais antigo do que o próprio Windows 10: o sistema foi oficialmente lançado em 29 de julho de 2015, mas cerca de duas semanas antes, a Microsoft já informava a data final de suporte.
       
      Fim da linha
       
      Os dias que antecederam a chegada oficial do aguardado Windows 10 há quase seis anos foram povoados de expectativa e uma das informações que mais correu os noticiários de tecnologia à éṕoca — inclusive aqui no Canaltech — foi de que o sistema teria um tempo de suporte de 10 anos.
       
      Essa definição, aliás, não chegava a surpreender, visto que esse é o tempo tradicional de garantia de atualizações oferecido pela Microsoft às edições do Windows. Em 2015, a empresa avisava que o Windows 10 seguiria recebendo grandes novidades até 13 de outubro de 2020, enquanto updates menores seriam disponibilizados por mais cinco anos, até 14 de outubro de 2025.
       
      Como uma pesquisa no Google mesmo comprova, outros veículos também citavam a própria fabricante para confirmar o tempo de suporte oficial do então novo sistema operacional.
       
      E qual a novidade?
       
      Atualmente, quando se verifica a página de suporte do Windows 10, é possível ler claramente que as versões Pro e Home do sistema terão suporte encerrado no mesmo dia 14 de outubro de 2025, daqui a quase cinco anos. Provavelmente, o único ajuste que a Microsoft fez quanto a isso foi visual, tornando mais clara a informação a respeito do fim do suporte para todas as edições do sistema — mas o dado em si já era sabido desde antes do lançamento em julho de 2015, lembrando que cada versão do Windows 10 lançada desde 2015 teve/tem suporte garantido por 18 ou 30 meses, dependendo do tipo de lançamento.
       
      Windows 11 vem aí?
       
      A MS tem um evento marcado para o dia 24 de junho deste ano no qual deve apresentar a maior renovação do Windows da última década. Até então oficialmente tratado apenas como mais uma atualização semestral do sistema, o update pode apresentar ao mundo o Windows 11 (ou Windows Sun Valley, como ele também vem sendo chamado).
       
      Para ter certeza mesmo a respeito dos planos da Microsoft, será preciso esperar até a próxima semana.
       
      Fonte: https://canaltech.com.br/windows/windows-10-tera-suporte-encerrado-em-2025-mas-isso-e-nao-e-novidade-entenda-187301/
       
    • By Daniel Aires
      Televisor Samsung
      Modelo: 2033M ou CS20MS ou CM20MS
      Placa principal: BN41-01289B
      Defeito: desliga após poucos minutos. Led da entrada digital fica acendendo e apagando, mas fontes estão normais.
      Solução: retire o IC6002, limpe e recoloque no lugar. Aqui resolveu, mas pode haver casos que tenha que trocá-lo. Este circuito integrado faz o reset. Tem formato de transistor SMD, está próximo ao cristal. A referência comercial é V6309 ou V6319.
    • By Chagas Moura
      Esta TV Philco Smart Android Led  PTV32N87SA está desligando (volta para stand by) com algum tempo depois de ligada. As tensões de 5v, 3,3v, 1,4 (U4) 12v e 18v estão presentes. Não sei se estão corretas por não ter este esquema para aferir tais tensões. Estou precisando do esquema deste aparelho para verificar as tensões de trabalho e chegar a um diagnóstico mais preciso. Algum dos colegas já pegou este defeito neste modelo?
       

SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...