Jump to content

notícia China se tornou espinha dorsal da montagem do iPhone; mudança pode levar anos

Rate this topic


elias.girardi
 Share

Recommended Posts

 

Durante anos, a Apple contou com uma vasta rede de fabricação na China para produzir em massa o iPhone, iPad e outros produtos populares.

 

1396102150_Semttulo.jpg.cc78781a1033d540a6c722e8580f5815.jpg

Apple não respondeu ao pedido de comentário da CNN San Francisco, Califórnia, EUA. REUTERS/Stephen Lam

 

No início de novembro, semanas antes do início da alta temporada de compras natalinas, a Apple emitiu um aviso incomum: os clientes teriam que esperar mais pelos novos modelos do iPhone 14 Pro.

 

Isso porque uma de suas principais instalações de montagem na cidade chinesa de Zhengzhou estava “operando com capacidade significativamente reduzida” devido às restrições da Covid.

 

Durante anos, a Apple contou com uma vasta rede de fabricação na China para produzir em massa o iPhone, iPad e outros produtos populares encontrados em residências em todo o mundo.

 

Mas sua dependência do país foi testada este ano pela estratégia “Covid-zero” da China e bloqueios rígidos, inclusive recentemente no chamado centro de produção da cidade do iPhone em Zhengzhou.

 

Agora, a empresa mais valiosa do mundo está tentando acelerar os planos para transferir a produção para fora do país mais populoso do mundo – mas reduzir sua significativa dependência da China pode levar anos, se é que isso acontecerá.

 

Em uma nota ao investidor no início desta semana, um analista da Wedbush Securities estimou que a Apple levaria pelo menos até 2025 ou 2026 para transferir a maior parte de sua produção de iPhone para mercados como a Índia e o Vietnã, mas apenas se “agir agressivamente”.

 

Gad Allon, professor da Wharton School da Universidade da Pensilvânia, cuja pesquisa se concentra em operações e gerenciamento da cadeia de suprimentos, parece ter uma avaliação ainda mais conservadora do cronograma. “Acho que não podemos falar sobre nenhuma mudança significativa além de alguns por cento antes de 2025”, disse.

 

Para ter uma noção de como a China é crucial para a Apple: antes do surto de Covid em outubro, que provocou paralisações em Zhengzhou, essa fábrica produzia 85% dos iPhone Pros, de acordo com uma estimativa da empresa de pesquisa de mercado Counterpoint, fornecida à CNN.

 

“A Apple não seria a empresa que é hoje sem a China como base de fabricação”, disse Eli Friedman, professor da Cornell University cuja pesquisa se concentra em trabalho e desenvolvimento na China.

 

Mesmo quando a Apple sinaliza que deseja transferir a produção da China, Friedman disse: “Isso não implicará em uma separação da China – haverá produtos da Apple fabricados na China por muito tempo”.

 

Em última análise, a Apple é “em alguns aspectos tanto uma empresa chinesa quanto uma empresa americana”, disse Friedman, “embora, é claro, esteja sediada nos Estados Unidos”.

 

A Apple não respondeu ao pedido de comentário da CNN.

 

Há uma série de fatores cruciais envolvidos na montagem e produção de iPhones, por exemplo, “que simplesmente não podem ser replicados em outros países”, disse ele.

 

Isso inclui a disponibilidade de materiais e componentes de fornecedores próximos; infraestrutura de classe mundial que já está instalada em escala; acesso a uma grande força de trabalho de engenheiros, bem como baixos custos trabalhistas; e a disponibilidade das faixas de terra necessárias para construir as cidades-fábrica que podem abrigar centenas de milhares de trabalhadores, bem como as extensas instalações de produção.

 

“Outros países podem ter uma parte ou outra disso, mas não têm tudo”, disse Friedman.

 

O CEO da Apple, Tim Cook, que ajudou a construir a cadeia de suprimentos global da empresa, reconheceu os pontos fortes de fabricação da China em uma entrevista de 2015.

 

“Você pode pegar todas as ferramentas e fabricantes de moldes dos Estados Unidos e provavelmente colocá-los em uma sala em que estamos atualmente”, disse ele. “Na China, você teria que ter vários campos de futebol.”

 

Steve Jobs, o falecido CEO da Apple, levantou a questão trabalhista durante uma reunião em outubro de 2010 com o presidente Obama. Ele chamou o sistema educacional medíocre dos Estados Unidos de um obstáculo para a Apple, que precisava de 30.000 engenheiros industriais para apoiar seus trabalhadores de fábrica na época.

 

“Não é possível encontrar tantos para contratar nos Estados Unidos”, disse Jobs ao presidente, de acordo com seu biógrafo, Walter Isaacson. “Se você pudesse educar esses engenheiros, poderíamos mover mais fábricas para cá.”

 

A Apple, por exemplo, vem sugerindo há algum tempo que transferirá a produção para a Índia.

 

Embora a Índia tenha uma grande força de trabalho e muitos trabalhadores com as habilidades técnicas necessárias (ao contrário dos Estados Unidos, que há muito enfrenta uma escassez de engenheiros), a criação de grandes centros de montagem para a Apple na Índia enfrenta muito mais burocracia do que na China.

 

“Pelo menos na Índia, o acesso à terra não é tão fácil”, disse Friedman, observando como o Partido Comunista Chinês enfrenta menos barreiras para expropriar terras rapidamente por causas que considera importantes.

 

Os custos trabalhistas na China, embora tenham aumentado na última década, também são “artificialmente baratos por causa da repressão política contra os sindicalistas”, de acordo com Friedman.

 

No Vietnã, outro candidato de longa data para a Apple transferir a produção, “o governo tem um pouco mais de capacidade, mas há muito menos terra”, de acordo com Friedman.

 

O Vietnã também tem uma população significativamente menor (98 milhões) em comparação com a China (1,4 bilhão) e a Índia (quase 1,4 bilhão, segundo dados do Banco Mundial).

 

Outro elemento-chave que explica por que a Apple “está realmente relutante em balançar o barco com a China é que a China também é um grande mercado para a Apple”, de acordo com Allon, da Wharton.

 

A Apple reportou US$ 74 bilhões em vendas no mercado da Grande China durante o período de 12 meses encerrado em setembro, ou quase 20% de suas vendas globais no ano.

 

“Se você olhar para outras empresas [de tecnologia] americanas, o Google não está na China, a Meta não está na China, a Amazon não está na China”, disse Allon, observando que a Apple foi realmente a única a explorar com sucesso o lucrativo mercado.

 

“Portanto, a Apple está muito relutante e muito cuidadosa para garantir que, definitivamente agora que as coisas estão muito, muito sensíveis, não balance o barco – ou pelo menos não balance o barco de forma pública”.

 

A empresa pode não ser capaz de se dar ao luxo de ser tão dependente da cadeia de suprimentos da China, mas também não pode se dar ao luxo de deixar o país para trás.

 

Fonte: https://www.cnnbrasil.com.br/business/china-se-tornou-espinha-dorsal-da-montagem-do-iphone-mudanca-pode-levar-anos/

 

Edited by elias.girardi
  • Like 3
Link to comment
Share on other sites

  • djsync featured this topic
  • 3 weeks later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...