Jump to content
djsync

notícia Baterias de alumínio poderiam carregar um celular em segundos, diz especialista

Rate this topic

Recommended Posts

Pesquisadores da Universidade de Queensland e do Graphene Manufacture Group (GMG), ambos da Austrália, desenvolveram uma bateria de íons de alumínio que pode ser carregada 60 vezes mais rápido do que uma bateria comum de íons de lítio, além de ter uma capacidade para reter energia três vezes maior.

32915c69aed44438b834dc15e1e3046d.jpg.789cc370f446bdfb9a28eb2359b35bc2.jpg

 

 

Segundo os cientistas, as baterias de alumínio também são mais seguras, não apresentam superaquecimento espontâneo, são completamente recicláveis e mais sustentáveis que as atuais células de energia feitas de lítio.

Nas novas baterias, os pesquisadores usam nanotecnologia para inserir átomos de alumínio dentro de pequenas perfurações no grafeno. Isso faz com que elas sejam capazes de fornecer muito mais densidade energética do que as baterias convencionais. “O alumínio carrega uma bateria tipo moeda em dez segundos. É tão rápido que é basicamente um supercapacitor”, afirma o diretor do GMG, Craig Nicol.

i453255.jpg.97b0e5d8eb31a5aa385c7c1e1d8389e3.jpg

 

Adaptáveis

De acordo com os executivos do GMG, as células de energia de íons de alumínio são totalmente adaptáveis à tecnologia usada atualmente pela indústria de veículos elétricos.”As nossas baterias terão a mesma forma e voltagem que as células de íons de lítio atuais e também podemos mudá-las facilmente caso seja necessário”, explica Nicol.

Outras iniciativas também utilizam o alumínio como matéria-prima para a fabricação de células de energia mais eficientes. Pesquisadores da Universidade de Cornell, nos EUA, desenvolveram baterias de alumínio capazes de suportar até 10 mil ciclos de carga e descarga, com uma vida útil 20 vezes maior do que a de uma bateria convencional.

 

i438600.png.4e10069f0ee371a67296ee4a85d9fe1e.png

 

Ao contrário dos pesquisadores australianos, que preferiram perfurar pedaços de grafeno para depositar átomos de alumínio, os cientistas norte-americanos apostaram em um substrato de fibras de carbono entrelaçadas para potencializar o desempenho das baterias.

“Nós encontramos uma maneira de fazer orifícios no grafeno e de armazenar átomos de alumínio mais próximos uns dos outros. Com esses furos, os átomos grudam no grafeno e ele se torna muito mais denso, como uma bola de boliche em um colchão”, compara Craig Nicol.

 

Mais vantagens

Além das vantagens técnicas sobre as células de íons de lítio, as baterias de alumínio trazem benefícios econômicos e ambientais. Como são feitas basicamente com folhas de alumínio reciclável, líquido ionizante e ureia, seu processo de fabricação é ecologicamente menos agressivo.

Outro atrativo seriam os custos de produção. A tonelada do lítio comercializada mundialmente subiu de US$ 1.460 (cerca de R$ 8 mil) para US$ 13 mil (R$ 70 mil) entre 2005 e 2021. No mesmo período, a tonelada do alumínio aumentou de US$ 1.730 (R$ 9 mil) para pouco mais de US$ 2.100 (R$ 11 mil).

i453253.jpg.8c4d39f38136572eeff0fe2298368750.jpg

 

O GMG deve lançar as primeiras baterias tipo moeda de íons de alumínio até o final deste ano. “Ainda não estamos vinculados a grandes marcas, mas essa bateria certamente poderia estar em um iPhone e carregá-lo em segundos”, afirma Nicol.

Porém, a utilização de baterias de alumínio em veículos elétricos deve demorar um pouco mais. Segundo os executivos da empresa, células de energia com capacidades maiores só devem chegar ao mercado mundial no começo de 2024.

 

fontes: rechargenewscanaltech

  • Like 3
  • Nice 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

A indústria mundial automotiva está cada vez mais voltada para os veículos elétricos que não usam os combustíveis fósseis. Vão precisar mesmo de algum tipo de bateria que tenha mais autonomia, mais durabilidade e mais barata. Todos os outros equipamentos que usam baterias vão pegar carona nessa.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Muito legal! Ainda vou ver ou até ter um carro elétrico do jeito que esta indo, muito rápido.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Restore formatting

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By elias.girardi
      O primeiro módulo do maior ímã do mundo (esquerda) e sua aparência quando estiver totalmente montado (direita). [Imagem: General Atomics]
       
      Maior ímã do mundo
       
      O maior ímã do mundo está pronto para seguir rumo ao seu destino, o ITER (International Thermonuclear Experimental Reactor).
       
      Após uma década de projeto e fabricação, a empresa General Atomics divulgou que irá enviar o primeiro módulo do Solenoide Central, o ímã mais poderoso já construído, que se tornará um componente central do ITER, uma máquina projetada para replicar o poder de fusão nuclear que ocorre nas estrelas.
       
      Este experimento de fusão nuclear está sendo erguido na França por uma colaboração de 35 países parceiros: União Europeia (mais Reino Unido e Suíça), China, Índia, Japão, Coreia do Sul, Rússia e Estados Unidos.
       
      Seu objetivo é provar que a energia da fusão do hidrogênio pode ser criada e controlada na Terra. A energia da fusão nuclear não tem os mesmos riscos dos atuais reatores de fissão nuclear, não polui o meio ambiente e tem potencial para suprir a necessidade de energia da sociedade por milhões de anos.
       

      Existem propostas alternativas, como a fusão nuclear feita em um equipamento de mesa. [Imagem: Y. Zhang et al. - 10.1103/PhysRevLett.122.135001]
       
      Solenoide Central
       
      O Solenoide Central, o maior dos ímãs do ITER, será composto por seis módulos. Quando totalmente montado, ele terá 18 metros de altura, 4,25 metros de largura e pesará mil toneladas.
       
      A força magnética do Solenoide Central é suficiente para levantar um porta-aviões 2 metros no ar. Em seu núcleo, ele atingirá uma força de campo magnético de 13 Teslas, cerca de 280.000 vezes mais forte do que o campo magnético da Terra.
       
      As estruturas de suporte do eletroímã terão que suportar forças iguais ao dobro do empuxo de uma decolagem dos foguetes que levavam ao espaço os ônibus espaciais.
       
      Ele deverá induzir uma poderosa corrente de plasma no interior do reator, chamado tokamak, ajudando a moldar e controlar a reação de fusão, impedindo que ela derreta o próprio reator.
       
      O primeiro módulo está pronto e será embarcado de navio dos EUA para a França. Cinco módulos adicionais, mais um sobressalente, já estão em vários estágios de fabricação - o Módulo 2 deverá ficar pronto em agosto.
       
      Ímãs no tokamak
       
      A criação de campos magnéticos em um tokamak requer três arranjos complementares de ímãs. Bobinas externas ao redor do anel do tokamak produzem o campo magnético toroidal, confinando o plasma dentro do reator. Bobinas poloidais, um conjunto de anéis empilhados que orbitam o tokamak paralelamente à sua circunferência, controlam a posição e a forma do plasma.
       
      No centro do tokamak, o Solenoide Central usa um pulso de energia para gerar uma poderosa corrente toroidal no plasma que flui ao redor do toro. O movimento dos íons nessa corrente, por sua vez, cria um segundo campo magnético poloidal que melhora o confinamento do plasma, além de gerar calor para a fusão.
       
      Juntos, os ímãs do ITER criam uma gaiola invisível para o plasma que se adapta precisamente às paredes de metal do tokamak. Com 15 milhões de amperes, a corrente de plasma do ITER será muito mais poderosa do que qualquer coisa possível nos tokamaks atuais.
       
      O material supercondutor usado nos ímãs do ITER foi produzido em nove fábricas em seis países. Os 43 quilômetros de supercondutores de nióbio-estanho para o Solenoide Central foram fabricados no Japão.
       

      Este esquema mostra o Solenoide Central (coluna azul e amarelo) no centro do reator de fusão nuclear do ITER. A área rosa em torno dele é o plasma, girando dentro do toro. [Imagem: ITER]
       
      Como funcionará a fusão nuclear no ITER
       
      Para que o ITER funcione, uma pequena quantidade de gás deutério e trítio, que são isótopos do hidrogênio, é injetada no tokamak, uma grande câmara de vácuo em forma de anel.
       
      O hidrogênio é aquecido até se tornar um plasma ionizado, que parece uma nuvem. Os ímãs supercondutores integrados ao tokamak confinam e moldam esse plasma ionizado, mantendo-o afastado das paredes de metal do reator.
       
      Quando o plasma de hidrogênio atinge 150 milhões de graus Celsius - dez vezes mais quente do que o núcleo do Sol -, uma pequena quantidade de massa é convertida em uma grande quantidade de energia (E = mc2) conforme os átomos de hidrogênio se fundem.
       
      Nêutrons de ultra-alta energia, produzidos pela fusão, escapam do campo magnético e atingem as paredes de metal do tokamak, transmitindo sua energia para as paredes na forma de calor. A água que circula nas paredes do tokamak recebe esse calor e o converte em vapor. Em um reator comercial, esse vapor acionará turbinas para produzir eletricidade.
       
      Finalmente, alguns nêutrons reagem com o lítio incorporado nas paredes do tokamak, criando mais combustível de trítio para a fusão.
       
      Fonte: https://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=ima-mais-poderoso-mundo-pronto-fusao-nuclear&id=010115210617
       
    • By elias.girardi
      Recentemente, ganhou corpo na web a informação de que a Microsoft encerrará o suporte ao Windows 10 em 2025. Daqui a cerca de duas semanas, a Gigante de Redmond deve apresentar a próxima versão do sistema operacional, e "revelação" da data limite de suporte da edição atual foi vista como mais um indício do grande anúncio — essa informação, porém, não é nada nova.
       
      O dado de que o Windows 10 terá suporte oficial a ao menos um canal semestral de atualização até o dia 14 de outubro de 2025 é mais antigo do que o próprio Windows 10: o sistema foi oficialmente lançado em 29 de julho de 2015, mas cerca de duas semanas antes, a Microsoft já informava a data final de suporte.
       
      Fim da linha
       
      Os dias que antecederam a chegada oficial do aguardado Windows 10 há quase seis anos foram povoados de expectativa e uma das informações que mais correu os noticiários de tecnologia à éṕoca — inclusive aqui no Canaltech — foi de que o sistema teria um tempo de suporte de 10 anos.
       
      Essa definição, aliás, não chegava a surpreender, visto que esse é o tempo tradicional de garantia de atualizações oferecido pela Microsoft às edições do Windows. Em 2015, a empresa avisava que o Windows 10 seguiria recebendo grandes novidades até 13 de outubro de 2020, enquanto updates menores seriam disponibilizados por mais cinco anos, até 14 de outubro de 2025.
       
      Como uma pesquisa no Google mesmo comprova, outros veículos também citavam a própria fabricante para confirmar o tempo de suporte oficial do então novo sistema operacional.
       
      E qual a novidade?
       
      Atualmente, quando se verifica a página de suporte do Windows 10, é possível ler claramente que as versões Pro e Home do sistema terão suporte encerrado no mesmo dia 14 de outubro de 2025, daqui a quase cinco anos. Provavelmente, o único ajuste que a Microsoft fez quanto a isso foi visual, tornando mais clara a informação a respeito do fim do suporte para todas as edições do sistema — mas o dado em si já era sabido desde antes do lançamento em julho de 2015, lembrando que cada versão do Windows 10 lançada desde 2015 teve/tem suporte garantido por 18 ou 30 meses, dependendo do tipo de lançamento.
       
      Windows 11 vem aí?
       
      A MS tem um evento marcado para o dia 24 de junho deste ano no qual deve apresentar a maior renovação do Windows da última década. Até então oficialmente tratado apenas como mais uma atualização semestral do sistema, o update pode apresentar ao mundo o Windows 11 (ou Windows Sun Valley, como ele também vem sendo chamado).
       
      Para ter certeza mesmo a respeito dos planos da Microsoft, será preciso esperar até a próxima semana.
       
      Fonte: https://canaltech.com.br/windows/windows-10-tera-suporte-encerrado-em-2025-mas-isso-e-nao-e-novidade-entenda-187301/
       
    • By dorivaljunior96
      pessoal pra baixar programa oq faz
    • By vagner12
      meu globalsat gs120 esta travado em boot e nao aceita recovery usb
       

SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...