Jump to content

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 06/13/2017 in all areas

  1. 37 points

    Version 1.0.0

    34 downloads

    Bios PCWare IPM H55 - POS-PIH55BO 16287.rar
  2. 32 points

    Version 1.0.0.8

    174 downloads

    Arquivo com Bios e gravador com Virtualização ativado por padrão.
  3. 23 points

    Version 1.0.0

    47 downloads

    Firmware da TV Toshiba DL- 3261 ( arquivo para pendrive).
  4. 20 points

    Version 1.0.0

    287 downloads

    Esquema Schematic Dell- Inspiron 14R 3421 5421 - Oak 14 - WISTRON DNE40-CR-MB - PWB-5J8Y4 10127-EBR-9.pdf
  5. 20 points

    Version 1.0.0

    36 downloads

    Esquemático Motorola Moto G6 Play XT1922
  6. 19 points
    Circuito da Bateria ------------------------------------------------------- -> CI Comutador -> Super I/O Trabalha com Tensões de 3.3v e 0v CI de Charge da Bateria - Carregamento da Bateria ------------------------------------------------------------ -> CI de CHARGE é responsável pelo carregamento da bateria. -> Todo PWM é uma fonte chaveada. -> Toda fonte chaveada possui: -> Mosfet de Alta -> Mosfet de baixa -> Bobina -> PWM ou CI de Charge -> CI de CHARGE fica próximo a bateria -> Principais Pinos a se medir no CI de CHARGE: -> PVCC - Terminal que Alimenta o CI de CHARGE, nele chega tensão da alta (19v). -> VREF - Tensão de Referência da placa (12v). -> CHGEN - CHGEN# - O jogo da velha significa que a tensão é invertida e esse terminal somente será ativado com 0. E quem comanda essa linha é o Super I/O. Se tiver 0 a bateria vai carregar. -> ACN e ACP - Terminais de escuta, são feedback da energia que recebem tensão da alta. -> SRN e SRP - São terminais de escuta, são feedback da bateria que recebem tensão da bateria. -> ACDET - Terminal detector de energia, esse terminal avisa se a bateria está plugada, ele vai dar uma tensão informando que essa bateria está plugada. Todo circuito de CHARGE e um PWM é uma fonte chaveada. CI de CHARGE gerando ACIN -------------------------------------- -> ACIN [e um dos pulsos mais importantes da placa mãe do notebook -> CI de CHARGE é primeiramente responsável por Carregar a bateria e segundo por gerar o ACIN em algumas placas. -> Quem alimenta o CI de CHARGE é a tensão de alta. -> Verificar tensão de alimentação DCIN -> Verificar tensão de referência VREF -> Verificar Tensão de Habilitação da bateria EN -> Verificar feedback da Alta CSIP e CSIN -> Verificar feedback da bateria CSON e CSOP -> Verificar Tensão do VDD 5v -> Verificar ACOK ou ACPRN -> ACSET -> VDD e ACOK são tensões que chegam até o transistor para criar o ACIN. -ACIN é a saturação de um transistor Espero que ajude!
  7. 19 points

    Version 1.0.0

    224 downloads

    Esquema Schematic Dell- inspiron n5420 quanta r08 v08 - DA0R08MB6E2 10246-EBR-9.pdf
  8. 19 points

    Version 1.0.0

    86 downloads

    Esquema Schematic Motherboard ECS- H61H2-M2 R. 1.0 12207.pdf
  9. 18 points

    Version 1.0.0

    15 downloads

    Segue o arquivo rootfs.tar.gz que utilizo.
  10. 18 points

    Version 1.0.0

    25 downloads

    Segue em anexo o dump da BIOS da Placa Mãe Positivo POS-PIG41BO, copiado de placa funcional com gravador de EPROM RT809F. Seja educado, ao baixar arquivos de um joinha para contribuir com o autor da postagem.
  11. 18 points

    Version 1.0.0

    471 downloads

    Curso de Eletrônica em 32 Volumes. Fundamentos de Eletroeletrônica.
  12. 17 points
    ---Novidades: 08/02/19 Então pessoal, como o pessoal do flashrom não se coçou eu resolvi me coçar, compilei duas novas versões que estão disponíveis pra download no mesmo link. Uma que grava apenas o kb9022 que já foi testada pelo @Donini II onde deve-se usar exato o mesmo comando, vejam as mensagens no tópico, e depois fuçando mais compilei uma versão que em teoria é capaz de gravar tanto o kb9012 quanto o kb9022 neste caso deve-se alterar o parâmetro de ID do chip para KB9022 (EDI) quando for gravar este chip essa versão ainda precisa ser testada, conto com vocês. Agora que achei uma maneira de implementar a adição dos outros chips precisamos que voluntários forneçam o ID dos chips que ainda faltam serem adicionados. KB9010 KB9016 KB9018 e KB9028 É muito fácil de conseguir os códigos, tendo feito as conexões conforme as instruções no tópico, basta executar o comando de leitura do chip exato como descrito no tutorial, o flashrom vai dizer que não encontrou o chip KB9012 e vai exibir o código do chip que encontrou, temos fotos e mensagens explicando isso nas respostas do tópico, assim que alguém postar os códigos dos chips aqui eu adicionarei eles ao programa o mais rápido possível. Não tenho mais este gravador, acabei presenteando a um amigo que estava sem, e por isso dependo exclusivamente de vocês para poder dar continuidade nesta empreitada. Com a ajuda de vocês podemos disponibilizar uma versão do flashrom capaz de gravar toda a linha ENE de KBCs no windows, algo que ninguém disponibilizou ainda na internet até onde sei. No entanto se o tópico ficar sem respostas neste sentido durante um longo tempo é provável que eu esqueça como fiz as mudanças, e aí não garanto a agilidade na hora de implementar os novos códigos no programa. ---Método novo, usando flashrom no windows.--- Olá pessoal. Olhem que ótima notícia, recentemente eu consegui deixar as coisas mais fáceis, agora podemos usar o flashrom modificado do PaulK no windows, para a leitura e gravação dos KBCs Kb9010 / kb9012 / kb9022 etc... O único inconveniente é ter que instalar um driver que eu gerei aqui, e que sobrescreve o driver original do aparelho, ou seja, se não for usar o flashrom como programa padrão do ch341A, cada vez que for usar com o programa original, ou com o flashrom, vai ter que reinstalar o respectivo driver, outra opção é instalar um windows 7 numa VM para usar com o flashrom, desta forma evitarás ter que ficar instalando drivers dependendo do uso que for fazer. Pacote do programa compilado + driver para windows 7 32 e 64 bits. Extraia a pasta que contém o Flashrom.exe e a DLL para um local de fácil acesso. Para instalar o driver é só clicar no InstallDriver.exe e ele vai sobrescrever o driver antigo sozinho caso já esteja instalado, a instalação demora um bocadinho, tenha paciência é normal, foi testado no windows 7 32 e 64 bits, no entanto pode ser que funcione em windows mais novos, talvez precise forçar a instalação ou desativar a exigência de assinatura no driver, quem testar em windows mais novos por favor deixe um comentário dizendo se conseguiu ou não. Caso você mude a porta USB pode acontecer do windows instalar o driver antigo na nova porta, se isso acontecer rode a instalação do driver de novo. hehehe Os comandos utilizados para leitura e gravação etc, são os mesmos utilizados no linux, no entanto esta compilação foi feita para deixar o ch341a como dispositivo padrão de gravação, então podemos omitir nos comandos a seleção do gravador ( -p ch341a_spi ). Pressione windows+R digite "cmd" e pressione "Enter" navegue até a pasta onde extraiu o flashrom.exe e então é só usar os comandos como abaixo. Apesar do flashrom rodar na interface de texto ele é compatível apenas com windows, não tem como executar ele em DOS puro porque o gravador é ligado na USB. exemplo: No linux: flashrom -p ch341a_spi -c "KB9012 (EDI)" -r bkpkb90xx.bin -V no Windows: flashrom -c "KB9012 (EDI)" -r bkpkb90xx.bin -V Se você tiver optado pelo pacote 1.0 mais atual, o que foi dito sobre o ch341A ser o gravador padrão não se aplica, esqueci de setar isso na hora de compilar, utilize os mesmos comando do linux por favor. Todo o resto do processo é igual na versão original do tutorial que segue abaixo. Espero que isso facilite para todos que estavam tendo dificuldade com o linux. Abraços. Eu testei aqui os dois pacotes disponíveis para windows, no 7, 32 e 64 bits, fiz leitura de chips de bios comuns, e também do KB9012 na placa LA-9532p. Vou deixar alguns prints e fotos que fiz ao longo dos processos, em ordem cronológica no final do tópico, leitura, verificação, zerar, e gravação de um novo arquivo. Funcionou 100% ok, tão bem quanto no linux. ---Original, usando flashrom no linux.--- Então pessoal, eu finalmente consegui executar a façanha de ler e gravar os KB90xx sem desembolsar uma nota preta, e estou compartilhando o método pra ajudar. Há um artigo na internet http://dangerousprototypes.com/docs/Flashing_KB9012_with_Bus_Pirate explicando como gravar estes chips usando patches para o flashrom que dão suporte a EDI criados por Paul Kocialkowski's, acontece que estes patches já não existem mais para download, impossibilitando seguir o passo a passo exposto lá, penei durante algum tempo até sacar como deveria fazer para contornar a situação, e abaixo sem mais delongas segue: O que você vai precisar? --------------------------- 1 - Pc com linux Mint 18.1 instalado. (Posso usar um live cd/dvd/usb do mint, ubunto, etc? Pode, mas a perda de tempo será gigantesca cada vez que quiser gravar um KBC.) 1 - Gravador CH341A (O que funcionou aqui é o da placa preta com acabamento dourado, mas imagino que os outros vão funcionar também.) X - Fios e ou flats para conectar o CH341A à placa mãe. (Na pressa de testar e já não havendo tempo hábil pra sair e comprar os flats eu usei fios de um cabo ide de 80 vias, isso cada um vai fazer como achar melhor e prudente, afinal somos todos técnicos né? Este tutorial tem por objetivo solucionar o problema de ter um programa capaz não só de gravar mas também ler os KBC ENE kb90XX, nada impede que a gente ajude com outros detalhes do procedimento a medida que dúvidas forem surgindo, mas pensem e tentem resolver os problemas encontrados para chegar aqui com as dúvidas certas, imagino eu que vou abordar todas as etapas de forma clara.) A versão de Paulk do flashrom que está disponível no acervo do fórum em: Flashrom Com Suporte EDI e que deve ser baixada no linux após a instalação para evitar contratempos, de falta de crédito para refazer o download, ou ter que transferir de outro local o arquivo. --------------------------- Concluí a instalação do Mint 18.1 editado: (64 bits) no pc, e agora? Abra seu firefox e acesse o fórum pelo linux para poder copiar os comandos e evitar perda de tempo. Agora você abre um terminal e digita -> "su" <- (sem as aspas) e entra com a senha que forneceu durante a instalação. em seguida digite: -> "apt-get update" <- (isso demora um bocadinho, não lembro se pede respostas mas se pedir é "y" e enter.) quando concluir: -> "apt-get upgrade" <- ( isso demora bastante, mas fique atento pois algumas vezes o processo para esperando por respostas suas, a resposta é sempre "Y" seguido de enter) Finalmente o upgrade do apt-get terminou e agora? Agora você vai digitar -> "apt-get install libusb-1.0" <- Quando concluir digite -> "apt-get install libusb-dev" <- Extraia o flashrom na "Área de trabalho" (atenção as letras maiúsculas e minúsculas não lembro se o T era maiúsculo ou minúsculo) Acesse a pasta do flashrom na "Área de trabalho" usando o comando "cd Á" após digitar o Á e antes de digitar o enter pressione tab no teclado e ele vai completar, depois digite "cd flash" e tab e enter. Dentro da pasta tudo que você tem a fazer é digitar "make install" e se não obtiver uma mensagem de erro o programa já está pronto para ser usado. ----------------------------------- Posso ter esquecido de algum detalhe, mas acredito que não, se você tiver problemas com mensagens de erro de compilação por favor certifique-se de que tudo correu bem na instalação da libusb1.0 e da libusb-dev, se estiver tudo certo, por favor digite no terminal "apt-get install build-essential", depois digite "make" e depois "make install", não acho que alguém vai precisar fazer isso mas... né? mer*as acontecem. ----------------------------------- E agora que temos o pc no linux com o flashrom modificado por Paulk instalado o que fazer? Agora você precisa fazer as conexões entre o gravador e a placa com o KB90xx, esse procedimento varia de placa pra placa, varia também do material escolhido para efetuar as conexões, fios, ou flats com fios soldados, e cada um deve fazer como achar melhor. No meu caso as duas placas usadas para o teste do procedimento eram LA-7912P rev 1.0 uma com chipset SLJ8C e outra com SJTNV as ligações eram idênticas portanto, mas o conteúdo do kb9012qf A3 era diferente. Abaixo deixo imagens de um outro tópico aqui do fórum mesmo, que mostram as ligações feitas com duas exceções, na imagem o colega sugere aterrar KSO3 e KSO2 sendo que o correto é aterrar apenas o KSO3 que neste caso é o pino4 do conector de teclado, e na imagem não consta a ligação do pino4 do gravador ao terra da placa mãe. (As imagens abaixo servem direitinho para a placa supracitada. Sorte a minha me poupou bastante tempo, elas foram retiradas do tópico: https://eletronicabr.com/forums/topic/84498-gravação-sio-kb9012-kb9022-com-qualquer-gravador-de-bios-spi-atualizado que foi elaborado pelo colega @mbkinformatica ao qual agradeço pelas imagens e dou o devido crédito. OBS: corrigi uma das fotos para que as ligações fiquem exatamente de acordo com as necessidades do tutorial. Prestem atenção a um outro detalhe, vocês podem usar os pinos em volta do soquete do gravador levando em conta as equivalências deles com o soquete, eu já tinha fios de um flat de 80 vias soldados naquele adaptador que acompanha o CH341A que usei no passado para testes de gravação de bios direto na placa com o TL866A motivo pelo qual utilizei desta forma, mas teria preferido usar os pinos em volta do soquete caso não tivesse o adaptador pronto. Se aterrarmos também o KSO2 o chip ativa o modo de gravação da Main BIOS SPI, "FlashDirectAccess" conforme orientação do datasheet nesta última imagem abaixo, e neste caso não é isso que desejamos. ------------------------------------------- Algumas sugestões de como efetuar a conexão entre o gravador e a placa: 1- No tópico abaixo o @Paulo Noce mostra o uso de uma placa que ele fez para efetuar as conexões do gravador com a placa mãe, nas mensagens abaixo do vídeo tem o esquema da pcb, para que possam replicar. 2 - Vocês podem também adquirir estes dois kits prontos que na realidade do meu ponto de vista deveriam ser 1 só, difícil entender o que se passou na cabeça de quem optou por 2 kits... Kit 1 Kit 2 Notem que quem for usar esta placa exclusivamente no ch341a pode soldar a barra de pinos que acompanha pelo lado de cima que facilita absurdamente as ligações com a placa, no mesmo estilo Para ligar esta placa dos kits acima no gravador, é só usar os pinos em volta do conector zif do gravador levando em conta as equivalências, e para isso pode usar jumpers femea femea. Detalhe Importante: coloquei os links dos kits aí acima, pra poderem ver o que é preciso, mas nunca comprei nada desse site, não me responsabilizo por nada, a minha placa veio no kit do rt809h. 3 - Faça flats como este que o cidadão fez: http://dangerousprototypes.com/docs/Flashing_KB9012_with_Bus_Pirate 4 - Solde os fios diretamente a placa, como fiz no início, da mais trabalho mas funciona da mesma maneira. ------------------------------ -Neo... Eu fiz todas as conexões necessárias o que faço agora? Confira todas as ligações pelo menos mais uma vez, verifique de acordo com o datasheet e o esquema da placa que vai ler/gravar, se todos os pinos interligados do gravador à placa estão bem soldados e se não há curtos, não esqueça de interligar o terra do gravador com o terra da placa pino4 do soquete 25xx do gravador ou pino GND que varia de acordo com o modelo do gravador. Se estiver tudo ok, plugue o gravador na porta usb do pc e conecte a fonte do note na placa, use o "dedômetro" para verificar se o gravador esta esquentando, se sim desligue a fonte da placa e re-cheque as conexões, caso não esteja esquentando provavelmente tudo correu bem até aqui e você esta com tudo pronto para usar o flashrom no terminal, e se tudo correu bem na primeira tentativa meus parabéns. Digite no terminal: (Caso tenha fechado o outro terminal digite "su" e a senha novamente, e entre na pasta do flashrom novamente.) Para ler o conteúdo do KBC: flashrom -p ch341a_spi -c "KB9012 (EDI)" -r bkpkb90xx.bin -V Para apagar o conteúdo : flashrom -p ch341a_spi -c "KB9012 (EDI)" -E -V Para gravar novo conteúdo: flashrom -p ch341a_spi -c "KB9012 (EDI)" -w novoconteudo.bin -V Para verificar se deu certo : flashrom -p ch341a_spi -c "KB9012 (EDI)" -v novoconteudo.bin -V Apesar do tamanho ínfimo do arquivo os processos demoram alguns minutos, tenha paciência. Se você leu até aqui antes de começar a botar a mão na massa não deve ter passado nenhum apuro, e deve estar comemorando o procedimento realizado com sucesso. ( Assim espero. ) Mas como nada é perfeito, você pode ter enfrentado algum problema, e eu terei prazer em ajudar no que eu puder, apenas queria lembrar que de linux eu não manjo quase nada, e foi o meu amigo André Cúrcio que me auxiliou com a parte que para mim foi a mais complicada, compilar o flashrom do PaulK a partir do snapshot do git dele, então quanto a isso não prometo ser muito útil, e ao André fica aqui registrado meu mais sincero muito obrigado, que se estende também para o Paul Kocialkowski's cujo o trabalho possibilitou a façanha. - Neo... agora me diga... Quanto tempo demoram os processos? A Leitura do KB9012 demora algo entre 6 e 7 minutos. Apagar mais uns 10 minutos, mas é desnecessário fazer isso pois quando mandas gravar novo arquivo ele zera o chip primeiro. Não calculei bem certo o tempo da gravação, (porque demorou) mas acredito que ficou em torno de uns 15 a 20 minutos. Abaixo deixo fotos e prints feitos ao testar o processo no windows: As duas primeiras abaixo são as ligações feitas entre o gravador e a placa. Nesta abaixo o processo de bkp do kb9012 acabou de começar, percebam que o segundo led acendeu. Essa abaixo é a tela que deverás ver se tudo correr bem quando mandares ler o chip. Abaixo nota-se que processo foi concluído com exito. Abaixo uma comparação entre os arquivos lidos com Ch341A e com o RT809H, coincidem 100%. Abaixo, é a primeira tela que verás quando mandares apagar ou gravar o chip. Ele repete isso ai um bom tempo, apaga setor por setor sequencialmente. Abaixo a conclusão do processo. Esta abaixo é a tela que verás quando mandares gravar novo conteúdo no chip. Quando termina de gravar ele automaticamente começa a verificação do arquivo. Concluída a verificação sem erros, isso significa que tudo correu bem. Aqui eu li novamente o conteúdo do chip pra poder comparar com o arquivo que gravei no cygnus e mostrar que não existem diferenças. Alguns dos arquivos salvos e utilizados no processo, renomeei alguns pra facilitar minha vida, e também coloquei o arquivo novo a ser gravado dentro da pasta do flashrom pra não ter que digitar um caminho enorme indicando o arquivo, mas fica a critério de cada um, só não esqueça, o programa diferencia maiúsculas de minúsculas, e se for digitar um caminho tipo c:\bios\notebooks\acer\la 9532p\kb9012 - la9532p - OK.bin, não esqueça das " ", as aspas são necessárias caso exista espaço no nome do arquivo ou das pastas. Abaixo a última comparação que se dá entre o arquivo que gravei com CH341A e o que foi lido novamente no fim do processo. Acompanhando a sequência de fotos acima é possível ver que todas as etapas começando com a leitura, passando pela gravação, e terminando com a verificação foram concluídas com exito. Acho que com todas essas imagens fica bem ilustrado o processo por inteiro. ( Não é história de pescador... ) huaeuhaehuaUEEHAUa Abraço pessoal, e boa sorte. OBS: --------------------------------------- Lista de possíveis erros e soluções, se alguém quiser compartilhar algum basta postar aqui que vou acrescentando. Em uma das placas ao tentar ler o kb9012 o flashrom informou que não conseguia localizar o mesmo, a placa em teoria estava ok hehehe mas no fim apesar de ter os 19v não estava gerando as fontes primárias, com a re-solda do pwm o defeito foi sanado e foi possível ler normalmente o kbc. --------------------------------------- Links para os arquivos extraídos desta forma: https://eletronicabr.com/forums/topic/111971-la-7912p-rev-10-pch-sjtnv-kb9012qf-a3 https://eletronicabr.com/gerenciador-de-arquivos/26/la-7912p-rev-1-0-pch-slj8c-kb9012qf-a3/113017/msg612288#msg612288 --------------------------------------- Por favor, se você utilizou o procedimento acima e obteve sucesso deixe um comentário pra gente. Um simples ( Funcionou pra mim! ) é suficiente. Se encontrou algum problema que resolveu por conta própria em qualquer uma das etapas, deixe pra gente nos comentários a solução encontrada, outros membros podem passar pelas mesmas dificuldades, e isso seria de grande ajuda pra todos. Quem disponibilizar informações úteis tem garantido. Abraços. P.S: Recentemente o suporte aos chips da ENE foi integrado a versão padrão do flashrom, atualmente no GIT do flashrom, já constam os arquivos do PaulK Agora ta mais mole ainda, podemos inclusive compilar a versão mais atual e provavelmente melhor e mais funcional do código, compilei e anexei no mesmo link do download para windows anterior, quem quiser o mais atual escolha: Driver + Flashrom 1.0 for windows by Neo.rar ao clicar em download. Editado: várias vezes para correções de ortografia, concordância, pontuação, gramática, e adição de conteúdo.
  13. 17 points

    Version 1.2.3

    277 downloads

    bios com região do ME limpa e atualizada pra ultima versão, esse arquivo corrige o erro de não apresentar imagem apos atualização do site da dell, essa versão é anterior, me parece que a do site ta com algum bug, não atualize pela do site por enquanto.
  14. 17 points

    Version 1.0.0

    17 downloads

    Pacote com atualização TV Toshiba DL 4061 (A)F + Orientações de como atualizar + Manual de serviço. Se serviu não esqueça de contribuir com um joinha.
  15. 17 points

    Version 1.0.0

    7 downloads

    FIRMWARE - Roteador C3 W-R1000nL 17796.bin
  16. 16 points

    Version 1.0.0

    273 downloads

    ME Analyzer v1.16.6 Programa para visualizar a versão da Região da bios.
  17. 16 points

    Version 1.0.0

    236 downloads

    Esquema Schematic Dell- Inspiron 14z 5423 - WISTRON DMB40 -BMW-Z4-DIS- - 11289-1 - REV A00 11669-EBR-9.pdf
  18. 15 points

    Version 1.0.0

    12 downloads

    BIOS POSITIVO- C14CR21 v1.04 - BIOS 5672.rar
  19. 15 points

    Version 1.0.0

    100 downloads

    Esquema Schematic Motorola- Manual de Servico Moto G4 XT1626 - XT1640 20297.rar
  20. 15 points

    Version 1.0.0

    204 downloads

    BIOS POSITIVO- Unique S1991 CCE ultra u25- 71r-c14cu4-t810 Testada 13899.bin
  21. 15 points
    Quando o notebook ta original sem “Reflaw” Estação de retrabalho, ar em 3 e temperatura 350 graus Esquente de leve por baixo do chip na placa por 30 segundos com movimentos circulares e distância de 3 cm da placa, nada de aquecer até derreter as soldas e nada de botar fluxos, subiu vídeo reballing Quando o notebook já foi mexido “Reflaw direto”, mas se o Chip e/ou placa estiver com bolhas devolva sem mexer
  22. 14 points

    Version 1.0.0

    105 downloads

    Esquema Schematic ASUS- P8H61-M-LX3-R2.0 Boardview 17795.rar
  23. 14 points

    Version 1.0.0

    106 downloads

    591f390f09dd2 IPMH61R3 -8MB- atualizada 3 gerao. 100 ok. 12542.rar
  24. 14 points

    Version 1.0.0

    14 downloads

    BIOS - TV- CCE LN14G Atualizacao do TV 15771.rar
  25. 14 points
    Saudações. Esse tuturial se aplica aos notebooks ASUS. Vamos extrair a BIOS da atualização disponibilizada no site do fabricante e preparar para gravá-la na BIOS do notebook usando um gravador externo. 1. Antes de mais nada faça o backup do arquivo do cliente. 2. Baixe o arquivo para seu notebook Asus. A. Certifique-se de baixar o mesmo arquivo do seu notebook. Para isso veja a etiqueta do aparelho. 3. Depois de baixar o arquivo, abra o arquivo usando um editor editor hexadecimal, e siga os passos do video para recortar a parte da firmware da BIOS para um novo arquivo. 4. Copie o serial do windows no endereço hexa offset 13000. (veja o video) 5. Pronto! Basta gravar no chip e o processo de gravação está pronto. Veja o video para mais detalhes do processo. Não esqueça do feedback! @Amigo EletrônicaBR @Colaborador @Moderador @Moderador Global @Participativo EBR @Técnico Cooperador
  26. 14 points

    Version 1.0.0

    162 downloads

    Esquema Schematic Acer- Aspire E1-471-6617 DAZQSAMB6E1 Rev-E 12857.rar
  27. 14 points

    Version 1.0.0

    11 downloads

    Esquemático Motorola Moto Z2 Play XT1710
  28. 14 points
    Com certeza todas informações será bem compreendidas com uma boa elaboração do conteúdo para ser analisados por todos.
  29. 13 points
    Todo técnico tem dificuldade na hora de fazer um conserto de placa, e isso porque os componentes para troca são escassos, então o uso de sucatas é de vital importância. Com a ajuda do Adobe é possível fazer com o o programa procure por nós nas sucatas, facilitando a busca e tornando mais rápida.
  30. 13 points

    Version 1.0.0

    29 downloads

    Arquivos de BIOS de ambas as versões de hardware: v1 de até 4MB e v2 de até 8MB. Estes arquivos servem para as placas da Positivo POS-EIH61CE e POS-EIH61CQ. Data da BIOS v1: 23 Fevereiro de 2013 Data da BIOS v2: 21 Junho de 2013
  31. 13 points

    Version 1.0.0

    222 downloads

    Esquema Schematic Compal- LA-7912p 10323.pdf
  32. 13 points

    Version 1.0.0

    169 downloads

    ACER Aspire E1-471-6404 MODEL NO: ZQT Placa DAZQSAMB6F1 REV:F MODEL:ZQSA Esquema Schematic Acer- Aspire E1-471-6404 - DAZQSAMB6F1 REV-F 13975.pdf
  33. 13 points

    Version 1.0.0

    115 downloads

    Funcionando perfeitamente, Não esqueça da joinha!!!
  34. 13 points

    Version 1.0.0

    124 downloads

    Como testar- analisar e encontrar defeitos na ponte norte -mch- -serie 4- 9936.pdf
  35. 12 points

    Version 1.0.0

    69 downloads

    Bios Motherboard MSI H61M-P21-B3- MS-7680 V3.2 14061.bin
  36. 12 points
    COMO TESTAR, ANALISAR E ENCONTRAR DEFEITOS NA PONTE NORTE (MCH) (SÉRIE 4) INTRODUÇÃO O intuito deste material é auxiliar no diagnóstico de falhas que podem ocorrer com o chipset norte de um notebook. Além disso, por meio das análises e testes, podemos entender o funcionamento dos blocos dos quais são pertinentes ao chipset norte. O importante, a saber, é que como cada peça não é auto eficiente, ou seja, necessita de algum fator externo, seja ele automático ou manual, haverá sempre um dado momento em que será necessário informar tais pontos para que o estudo em questão faça sentido. Ao entender cada bloco de funcionamento deste chipset em que serão elaborados os estudos a seguir, poderá contribuir para qualquer outro modelo, desde que haja similaridade entre as gerações. A cada versão ou implementação, haverá algo a somar, mas que não irá interferir na análise quando o princípio de funcionamento permanece o mesmo. Tendo em vista que as famílias de chipset da Intel são projetadas conforme seus processadores, fica evidente que a relação entre as modificações se comparados com a AMD, por exemplo, difere-se no mais notável quesito, a sua nomenclatura. Por mais que um chipset detenha de uma tecnologia diferente na teoria, não quer dizer que na prática seja algo tão diferente. Podemos perceber isto claramente pela concorrência entre as duas patentes, mas que ao usuário final tais diferenças só serão notadas em aspectos bem restritos de teste. Isto também é fatídico ao usuário que pretende conhecer o seu funcionamento, isto é, aquele que realiza testes e análises, onde o princípio da teoria como já dito diferencia-se à sua nomenclatura. É claro que é preciso notar que haverá algum sinal ou dispositivo que realiza alguma função específica, como virtualização que nos modelos Intel funciona de uma forma e na AMD de outra, mas isto não interferirá na análise teórica sabendo que cada fabricante utiliza meios diferentes para se chegar um fim comum. A diversificação de chipsets às vezes torna a análise um tanto individual, se notar que o processo de funcionamento é sempre o mesmo, não ficará difícil entender e descobrir falhas ou encontrar pontos importantes que são cruciais para pesquisa de outros defeitos que como já dito, um chipset sozinho não é nada, precisa trabalhar em conjunto com sinais, tensões, resets e clocks para que haja uma interação coerente e funcione, assim como é para qualquer ramo da eletrônica e talvez para qualquer atividade non-eletrônica. A última consideração a expor e que não menos importante, é ter em mente que certas etapas necessitam de testes mais avançados e por este fato, podem deixar de serem explicadas da forma convencional. Certos sinais só são acreditados seguindo pelo que determina o fabricante, pois não podemos mensurar ou por motivos de inacessibilidade ou mesmo por haver necessidade de um equipamento exclusivo que faça uma medição real. PARTE I – BLOCOS EXTERNOS Começamos por expor o diagrama em blocos de um esquema resumido de funcionamento do sistema de notebook. Ao visualizar a imagem, fica fácil notar pontos importantes dos quais o chipset norte é responsável e o mais importante é saber dos quais ele é dependente. Notamos pelo diagrama que o chipset norte sempre aparece entre processador e ponte sul, isto porque há dois sinais produzidos de suma importância, o FSB e o DMI. O FSB (Front Side Bus) é a comunicação direta entre processador e ponte norte, que traduzido ao português é barramento frontal. Temos também o DMI (Direct Media Interface) ou Interface de Mídia Direta é a comunicação entre ponte norte e ponte sul. Percebemos também os dois diagramas que se referem aos módulos de memória e as saídas de vídeo digital SVDO, HDMI/DVI à direita e à esquerda os blocos que se referem às saídas LVDS, CRT e TV-OUT. Um ponto importante é que de acordo com o diagrama, tal chipset suporta as tecnologia de memória DDR2 ou DDR3 o que o torna versátil, apesar da já defasada tecnologia DDR2. Para fins de análise a consideração mais importante, a saber, é que a diferença entre os dois tipos de memória trabalham com tensão diferente, para DDR2 1,8V para alimentação principal e 0,9V para tensão de VTT e para DDR3 uma tensão de trabalho de 1,5V e 0,75V para VTT. Note que a tensão de VTT é a metade da tensão de trabalho, isto é padrão em qualquer dispositivo de memória. A seguir o diagrama em blocos. PARTE II – TENSÕES DE ALIMENTAÇÃO Se levarmos em conta todas as tensões que o chipset possui, a análise ficaria demasiadamente extensa. De maneira simplificada e sabendo que destas tensões principais são originadas outras tensões secundárias, mas não de menores importâncias, temos, a saber, três tensões: 3,3V que alimenta a parte do bloco de CRT, 1,5V que alimenta blocos de controle de memória, 1,8V que alimenta circuitos responsáveis pelo gerenciamento da saída LVDS e 1,05V que é a principal tensão do chipset norte, que alimenta todos os outros blocos restantes. Toda alimentação pertencente ao chipset norte é externa, significa que chipset não converte nem transforma nenhuma tensão, para fins de análise isto nos leva a perceber que se houver falta ou alteração de tensão em qualquer ponto de alimentação do chipset, devemos procurar fatores externos que estão causando o problema. Não podemos excluir que chipsets defeituosos podem ocasionar falhas de tensão, mas nunca devemos pensar que por algum motivo há defeitos com a parte de alimentação devido ao componente, tendo a certeza de que o mesmo esteja em condições normais. Um exemplo disso é percebermos curtos em linhas que alimentam o chipset, se houver qualquer defeito de curto entre balls (esferas), isto é defeito mecânico, portanto não se deve a culpa ao componente. Outro ponto é se mesmo não forem detectadas falhas mecânicas, o componente esta seriamente avariado e deverá ser substituído tendo em mente que o problema não fora causado por falhas não ligadas ao chipset. TENSÃO DE 3,3V Começamos pela tensão menos presente no chipset norte. Esta tensão alimenta em geral as partes gráficas, como CRT, LVDS. Conforme parte do esquema abaixo, vemos claramente que a tensão de 3,3V alimenta o bloco que fica responsável pela saída CRT. Nesta outra parte do esquema vemos que a mesma alimentação, é responsável pelo funcionamento de uma das partes do circuito LVDS. CASOS DE ANÁLISE Devemos ter em mente sempre que uma tensão de larga escala na placa estiver com problemas, seja sua ausência ou qualquer defeito, a placa deixa mesmo até de iniciar (ligar). Levando essa consideração, pensemos que a placa esteja alimentada com 3,3V, mas suponhamos que há problemas na parte de CRT. Após verificar o mais básico possível, analisar todos os pontos não pertencentes ao chipset norte, aí podemos passar a nos questionar e verificar os pontos a ponte norte. Seguindo o raciocínio da Figura 2, devemos buscar na entrada da bobina B8 a tensão de 3,3V. Se tivermos a tensão presente ali naquele ponto, presume-se de que até aquele ponto está como mando a regra. Mas se a partir dali não há mais tensão, temos duas suposições. A primeira delas mais comum é de que a bobina B8 está em aberto e a segunda é de que algum capacitor ou até mesmo o chipset esteja matando a tensão naquele ponto. Concluindo a análise destes pontos podemos determinar a causa do problema. A próxima etapa é verificar se não há defeito com o bloco. Perceba que durante a leitura do esquema há sempre uma nomenclatura interna e a externa, sendo a interna do fabricante do chipset e a externa do fabricando do esquema, o qual define as suas próprias nomenclaturas que varia de um para outro. A Figura 4 exibe em detalhes. Tendo este conhecimento, vamos focar na nomenclatura do fabricante do componente. Se buscarmos no datasheet, vamos saber que VCCA_CRT_DAC que se trata de uma fonte de alimentação interna do bloco, assim como VCCA_DAC_BG. Evidentemente que é necessário um aterramento, nisto saberemos que VSSA_DAC_BG configura o GND do bloco. Uma dúvida que pode surgir é pelo fato de houver os capacitores conectados ao terra. Fica claro que aqueles capacitores ali estão fazendo papel de filtragem, removendo qualquer ruído indesejado, mas não configura o terra do circuito o que acaba por condenar a análise. O único defeito relacionado aqui seria de uma esfera não soldada (open), causado por a falta ou a falha de soldagem. A Figura 5 mostra um caso típico em que há falha de soldagem de um BGA. Note que há a esfera em contato com o chip e a placa, porém com uma soldagem imperfeita o que ocasiona ponto em aberto. Analisando estes pontos e verificando cuidadosamente cada etapa do bloco, ficará fácil identificar o defeito e o causador. Deve-se ainda procurar no esquema outros pontos que fazem parte da alimentação de 3,3V, apresentamos apenas alguns exemplos para que se possa ter noção dos pontos alimentados por esta tensão. TENSÃO DE 1,5V Além de ser a tensão principal de alimentação das memórias, a tensão de 1,5V ainda alimenta os blocos de áudio de alta definição e partes do bloco de CRT. Uma observação importante a adiantar aqui é que sim, a ponte norte pode ser responsável por falhas de áudio HDA (High Definition Audio), o que geralmente se pensa é que a principal função e controle de áudio ficariam ao encargo da ponte sul. Mas se pensarmos um pouco, quando instalamos os drivers de vídeo, geralmente acompanha no pacote de áudio de alta definição, que o mais comum utilizado é o HDMI. Portanto, não confundir com áudio analógico (ponte sul), aquele que sai nos speakers internos do notebook. Estamos falando de áudio de alta qualidade que caminha lado a lado de uma imagem de alta resolução, então não adianta você instalar os drivers de áudio HDA, para utilizar os autofalantes do equipamento que é estéreo de baixa qualidade. Em questão de análise, é bastante simples identificar problemas correlacionados à tensão de 1,5V, uma vez que ausente, a placa deixa de apresentar vídeo. Cabe ao técnico identificar fatores externos e internos que causem a deficiência do sinal. Como é formado por centenas de capacitores de desacoplamento que podem vir a constituir numa dor de cabeça caso um único venha a apresentar defeito. Não caberia aqui falar sobre outros componentes como o regulador de tensão de 1,5V ou até mesmo a memória, mas que antes de tudo, é o princípio básico de análise, excluir-se qualquer dúvida, mesmo que ela seja a mais insignificante. TENSÃO DE 1,8V Esta tensão é utilizada para alimentar o bloco responsável pelo circuito de saída digital, o LVDS. Antes de tudo, não confundir com as tensões de alimentação do display LCD ou LED, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Seguindo, a tensão de 1,8V se encarrega por alimentar o circuito que vai formar a imagem em si no display, é como se fosse o CI scaler de um monitor LCD, logicamente muito mais complexo. Mas a função é praticamente a mesma, transformando os bits em imagens na tela. Concluímos que se houver algum problema com este circuito, a tela provavelmente irá acender, mas não irá apresentar imagem coerente, apesar de poder aparecer algum tipo de imagem surreal. CASOS DE ANÁLISE Apesar de ser um circuito bastante simples, quando se encontra falha de imagem no display LCD ou LED, como tela com chuvisco, falta da imagem, cores alteradas ou a falta de alguma cor, podemos ver que este bloco do circuito é responsável por tais defeitos. O mais comum é a tela com chuvisco. Mais uma vez reforço em dizer que excluído qualquer componente externo, neste caso a tela, aí sim partiremos para o chipset. Enfim, tela com chuvisco logo nos vem à cabeça, interferência, ruído, e o que nos resolve estes males externos são os capacitores de filtro. Dando uma explicação rápida a isto, o que é muito importante saber, capacitores de filtro são aqueles que barram frequências indesejadas. Levando ao pé da letra, qualquer coisa pode criar um ruído, até mesmo a batida do seu coração está provocando uma frequência, pois o mínimo de movimento que se faça para deslocar o ar constitui-se uma frequência, por mais que ela seja próxima de zero. Enfim, como estamos a falar de eletrônica, cabe dizer que qualquer ruído fará com que haja oscilação no circuito e quando mais sensível for, mais prejudicial será. Assim, para eliminarmos estes ruídos, inserimos capacitores de filtro, que em geral são da ordem de micro Faraday. Já os capacitores de desacoplamento, são aqueles que funcionam como baterias ultrarrápidas, que salvam o seu chipset de qualquer falta de alimentação repentina. Isso acontece porque a fonte que gera as tensões não é e nunca será perfeita, ela terá momentos em que deixará de produzir tudo o que sempre oferece, mas é questão de pico segundo, mas que o chipset sente abruptamente e neste caso os capacitores de desacoplamento estará ali para salvar este dado momento para que não ocorra perda de dados vitais, que se percebermos estes capacitores são da ordem de pico Faraday, descarregam-se extremamente rápido. É claro que nem sempre os capacitores resolvem este problema, mas para atenuar, os fabricantes do chipset, criaram um ball específico para que estes ruídos saiam para o terra da placa, aí está mais uma importante observação a se fazer quando a soldagem das esferas na placa. Não podemos esquecer de que, a placa como um todo é um emaranhado de circuitos todos gerando interferências, assim quanto melhor for o aterramento da carcaça, da tampa da tela, melhor será a descarga destes lixos eletrônicos. Não é a toa que uma placa mãe é dotada em sua maioria de pinos terra. TENSÃO DE 1,05V A tensão mais importante é a de 1,05V. Ela está presente em toda a placa e inclusive no chipset norte em grande escala. Responsável por alimentar a maioria dos blocos, esta tensão ainda é responsável por manter funcionando DMI e FSB. Em geral, existe sempre uma bobina que passa esta tensão, por isso é fácil verificar junto ao esquema por onde entra esta tensão e analisar possíveis bobinas danificadas. Podemos notar que a impedância medida neste ponto é baixa, isto porque é necessária uma corrente alta para manter o funcionamento pesado com que este chipset faz com o processador. Há ainda pontos em que a corrente deve ser baixa, mas resolve-se isto com resistores. Com resistores encontramos outro tipo de problema. Caso haja a falta de um, por exemplo, algum bloco deixará de funcionar ou até mesmo queimar. É bastante penoso encontrar defeitos nesta linha, por ser demasiada grande, cabe ao técnico decidir. PARTE III – SINAIS DE MEMÓRIA Bom, já sabemos que as memórias são alimentadas basicamente por dois tipos de tensão, 1,5V e 0,75V para DDR3 e 1,8V e 0,9V para DDR2. A seguir, iremos expor o que nos é permitido, pois muitos circuitos são inacessíveis ou precisam de algum equipamento específico para que seja possível determina-los. Existem muito tipos de sinais provenientes da memória e chipset, não nos cabe dizer quais são e quais suas funções afinal não somos projetistas (ainda), então precisamos saber apenas que eles existem e executam funções importantes. SINAL DE ENDEREÇAMENTO Os sinais SA_MA ou SA_MB que se estende do 0 ao 14 servem para endereçar e mapear cada slot de memória, sendo de 0 a 7 para um slot e de 8 a 14 para outro slot. Os endereços equivalem sempre aos seus respectivos endereços, ou seja, nunca mudam. O importante saber aqui é que estes endereçamentos são de controle do chipset como se pode ver na Figura 9. Observe o sentido em que a flecha está apontando para a direita, quer dizer que é sinal de saída. Se fosse ao contrário, flecha apontada para a esquerda seria sinal de entrada e por último se fosse uma flecha bidirecional, seria sinal de E/S respetivamente. Válido para sentido de saída à direita do bloco se for à esquerda, ficará as posições invertidas. O interessante a observar em relação a estes sinais é que eles são de comunicação direta entre chipset norte e módulo de memória não existem capacitores em suas linhas, portanto qualquer falha em algum destes sinais é necessário a troca do chipset ou verificação de trilhas, o que geralmente é interno (camadas do PCBA). Ao medirmos a tensão nestes pontos, perceberemos que com o módulo de memória encaixado, a tensão é igual à de VTT, e se medirmos sem o módulo, perceberemos que será a metade de VTT. Isto nos dá ideia de que se houver algum problema com o módulo de memória, teremos certeza medindo tais pontos e encontrarmos a tensão igual à metade de VTT. Outra possibilidade seria de que os pinos do slot estejam gastos e assim não dando contato com o módulo de memória, sendo necessária a substituição ou limpeza do mesmo. SINAL DE CANAL DUPLO (DUAL-CHANNEL) Aqui temos os sinais responsáveis por assegurar o funcionamento de duas memórias simultâneas. Chamados de SA_DQ para o slot A e SB_DQ para o slot B. Cada sinal interliga-se funcionando como paridades entre os módulos de memória assim sendo os dois slots trabalham juntos fornecendo capacidade dobrada para o equipamento. Portanto quem define se é ou não dual-channel é o chipset e não o módulo de memória. Não adianta eu falar aqui sobre compatibilidade, frequência ou marca de memória, o que devemos saber é que o chipset suporta tecnologia de duplo canal, mas é preciso ter em mente que para que isto ocorra é necessário seguir algumas regras, se não sua placa irá funcionar em single-channel. Para focarmos em análise, precisamos saber que cada barramento possui capacidade de 64 bits para cada memória. Se percebermos bem, cada slot trabalha com 64 bits em single-channel. Para dual-channel temos 128 bits para um par de memórias em paralelo de mesmas características. Sendo assim teremos o dobro de eficiência. Ao observarmos a Figura 10, notamos que há 64 sinais dispostos para formar uma possível união com outro slot de memória, somando mais 64 sinais. Os defeitos associados a estes sinais é claramente o funcionamento da placa em single-channel. Cada memória trabalhará por conta própria, enquanto que uma estaria escrevendo dados e a outra estaria lendo, neste caso estariam fazendo a tarefa em dobro o que é inversamente proporcional ao tempo, sistema operacional mais lento, a famosa tela azul do Windows, travamentos inesperados, etc. Assim como já citado, os defeitos aqui podem ser esferas em aberto no chipset ou trilhas rompidas na placa. Esta comunicação é direta sem passagem de capacitores pelo caminho, sendo necessária a troca do componente. Para detectar falhas neste bloco do circuito, na tela de SETUP do BIOS podemos verificar se o sistema detecta single-channel ou dual-channel. Se há certeza de que as memórias instaladas são do mesmo tipo e que ambas estão em pleno funcionamento, o problema estará no chipset norte. Mas como ter certeza total? Muito simples, medir pino por pino seguindo o esquema e verificar possíveis curtos ou pontos em aberto. Simples, mas trabalhoso. Além dos sinais citados acima, ainda temos mais um grupo que também configura a parte de canais do módulo de memórias. São SA_DQS e seu complemento SA_DQS#. Portanto, para fins de análise é necessário também verificar estes 14 pontos. Por último temos os terras e clocks. Chamados VSS, que são terras simultâneos entre módulo de memória e chipset norte, do qual o chipset efetua análise internas. Os clocks são gerados pelo MCH em função do gerador de clock principal. SINAL DE MÁSCARA DE DADOS E ARMAZENAMENTO ENCAPSULADO Basicamente estes sinais servem com empacotadores de sinais e também como bloqueio de pacotes de dados defeituosos. A fim de analise, esta parte do circuito irá interromper a comunicação entre o chipset e módulo de memória, neste caso, ocasionando falha de vídeo, pois haverá falta de dados importantes entre chipset e memória. Notemos que tais sinais são de saída. Isso nos auxilia a determinar falhas que possam vir a ocorrer neste circuito. Para encontrar falhas nestes pontos, ao medirmos a tensão nos respectivos pinos, devemos encontrar oscilação de tensão (em mili volts) , pois como dito, são sinais que transferem dados à memoria. Quando medimos a tensão nestes pontos e não encontramos variação de tensão, significa que não está havendo comunicação entre memória e chipset e ainda, não está havendo processamento de dados culminando falha do processador, o que deixa a tensão em nível alto, pois o chipset está enviado informação completa ao módulo de memória. Quando a tensão está em nível baixo, pode significar que o chipset não encontrou a memória no slot e por isso não há transferência de dados. Os chipsets ainda utilizam uma técnica chamada Bank Switching ou Bank Select. São sinais que selecionam um pacote específico de memória para enviar ao processador. Para entender melhor sugiro a leitura deste artigo. Qualquer problema relacionado a este circuito, teremos instabilidade, travamentos e algo curioso: memórias defeituosas com o aquecimento devido ao uso, quando se atinge uma temperatura e os chips do módulo de memória estão com defeito, apresentam as famosas ondas na tela e o travamento do sistema. SINAIS DE COMANDO Para finalizarmos os sinais de memória, temos ainda três importantes sinais: SA_RAS#, SA_CAS# e SA_WE#. SA_RAS# e SA_CAS# servem para que o processador trabalhe com os dados de acordo com a posição que necessita num dado momento, assim quando a memória detêm um valor X e o processador busca este valor, RAS e CAS permitem e facilita este trabalho, assim como quando não é mais necessário tal valor, o processador irá até aquele ponto da memória e poderá excluí-lo. SA_WE# é o gerenciador de ambos os sinais citados. PARTE IV – SINAIS HOST Aqui temos o ponto de comunicação entre processador e chipset norte. Por meio destes sinais, podemos determinar a eficiência de um aparelho. Devemos saber que tais sinais funcionam como E/S, numa mesma linha temos mais de uma informação sendo transportada do chipset ao processador e vice-versa. Processadores que trabalham com estes chipsets da série 4, possuem uma largura de até 64 bits. Não é fácil identificar problemas nestas linhas, pois muitos sinais não passam por ponto de testes (ilha de interligação de trilhas), ou são trilhas internas. É bom saber que a tensão é de 1,05V. Problemas nestes pontos somente a troca do chipset ou algum problema com solda no socket. O defeito é sem vídeo, já que é a partir destes sinais são informados dados vitais ao processador. Felizmente, podemos determinar se o problema é de fato no bloco HOST, por uma tensão de referência que é a metade da alimentação do bloco. Neste mesmo bloco temos um sinal muito importante, o H_CPURST#. Este sinal determina que todos os estados de tensões e sinais são válidos. Este sinal trabalha diretamente com um sinal do ICH, PLT_RST ou PCI_RST. Ambos os sinais trabalham com uma tensão diferente, para o H_CPURST# 1,05V e para o PLT_RST 3,3V. Em conclusão temos que a falta de PLT_RST não irá ativar o estado de H_CPURST#. Temos os sinais de endereçamento conectado ao processador. É apenas sabido que quando o processador está em nível alto, estes sinais entram no chipset, quando o processador está em modo de espera, estes sinais são direcionados ao chipset norte. Assim como para detectar defeitos no bloco de barramento, no bloco de endereçamento não é diferente. Precisamos medir a tensão de referência, segundo a Figura 16. Os sinais H_DINV#, H_DSTBN#, H_DSTBP#, H_REQ# e H_RS# definem o tipo e velocidade de transferência de dados. Vale lembrar que cada um desempenha funções similares, mas individuais. Algum problema em qualquer um deles dará ao processador a informação incorreta de dados e não apresentará imagem. Ainda, pontos em aberto no socket podem ocasionar as mesmas falhas. PARTE V – GERENCIAMENTO DE TENSÃO (PM) Todo equipamento trabalha em harmonia para efetivo funcionamento. O mesmo acontece com o gerenciamento de tensão, que sincroniza tensões de trabalho para que haja funcionamento perfeito. Em geral, o chipset norte recebe e transmite informações de gerenciamento diretamente com a ponte sul (Controller Link), enquanto que a sul recebe informações do I/O, através de sinais lógicos e sinais SMBUS. Inevitavelmente como o intuito deste material é informar procedimentos e interesses que tangem a ponte norte, não serão discutidos sinais que são mais relevantes a outros componentes. Há uma série de combinações que indicam ao chipset norte que todas as tensões de trabalho estão válidas. Umas dessas informações passam pelo CI de controle de VCORE, pois é lá que será verificado se as tensões estão reguladas a fim de providenciar o estado positivo do processador. Temos então o sinal que entra no chipset norte chamado PWROK, indicando ao mesmo tempo em que o CI e o processador estão com níveis de tensão aceitáveis. Portanto, para fins de análise, temos um sinal emitido do CI controlador de VCORE ao MCH. Daí pensemos, se houver a falta deste sinal há um problema entre processador e controle de VCORE, lembrando que, apesar de esta tecnologia possuir uma tensão fixa para valor de VCORE, podemos encontrar tensões diferentes dependendo do processador em que o CI está a controlar. Importante é saber que está sequência de sinais e tensões segue uma lógica que no caso é o ICH (ponte sul) informa ao processador através de CPUPWRGD, em seguida o MCH informa ao processador através de CPURST, que por sua vez o CI de controle de VCORE recebe do processador sinais VID e envia novamente ao MCH o sinal PWROK. O bloco de alimentação do MCH é bastante extenso, mas fácil de ser analisado. Bastando apenas termos o esquema em mãos, procuramos sempre na parte onda há as tensões de alimentações de cada bloco que é responsável por específicos sistemas do chipset. Como a primeira coisa a fazer é medir tensão, procuramos o bloco que estamos querendo analisar e assim podemos determinar se há falha ou não. Por exemplo, queremos medir o bloco responsável pelo circuito LVDS, via esquema procuramos pela nomenclatura do fabricante do componente sempre pelos prefixos VCC, VCCA, VCCD ou VTT. PARTE VI – DIRECT MEDIA INTERFACE (DMI) Semelhante ao processo de FSB, o DMI é comunicação entre ponte sul e ponte norte, dos quais trocam informações em uma taxa de velocidade muito mais elevada do que, por exemplo, se comparado ao modo PCI. As frequências são fixas em 100MHz e esta linkagem garante maior estabilidade de um sistema. Portanto se há alguma falha de desempenho, pode estar atribuída a DMI, porém como estas linhas trabalham em conjunto, a falta de uma delas ocorrerá falhas em todo o sistema. Detectar falhas será necessário encontrar a frequência correta e verificar se a mesma não apresenta variações fora da tolerância. PARTE VII – ÁUDIO DE ALTA DEFINIÇÃO (HDA) Vimos na PARTE II que o chipset norte é responsável pelo áudio de alta definição, pois está intimamente ligado com gráficos de alta resolução que o MCH suporta chamado HDMI. Assim como o CODEC de áudio principal está para ICH, o CODEC HDMI está para MCH. Na pratica o funcionamento é semelhante. A diferença é que o CODEC HDMI além de trabalhar com áudio ainda trabalha com a saída de vídeo. Podemos detectar falhas neste circuito ao medir a frequência de 24MHz e 48KHz que o CI juntamente com a tela HDMI informam ao MCH. Notamos que tais sinais são de entrada, pois é gerado no ICH, obviamente o sinal de áudio é formado pela ponte sul. Agora, sinal de áudio em alta definição é atribuído ao MCH. É como se fosse uma espécie de amplificador, no qual pega um sinal de baixa qualidade e transforma em um sinal de áudio mais completo. Disto tiramos uma conclusão final e muito importante, se não temos áudio na placa, primeiro passo é verificar o ICH. Se não temos áudio de alta definição verificamos o MCH. PARTE VII – HDMI, LVDS e CRT O sistema HDMI funciona como uma placa de vídeo num computador desktop. A analogia é a mesma, pois utiliza o barramento PCI-E para manipular imagens de alta definição, uma vez que a taxa de velocidade para que haja alto desempenho é necessariamente alta. Para simplificar, é como se fosse um slot PCI-E integrado ao chipset. A grande vantagem é que o consumo de potência é muito menor se comparado a uma placa de vídeo. Buscamos defeitos nestas linhas através do já citado CODEC HDMI que é a interface entre o MCH. Importante saber que o processo é semelhante a DMI, em que há taxa de transmissão e recepção. O CODEC HDMI funciona com uma tensão de 5V, já os sinais HDMI do MCH são bits, portanto a tensão é extremamente baixa. Note que há capacitores de filtro por todas as linhas antes de entrar no CI, pois como dito, são sinais binários e para não haver perdas por ruídos externos são colocados estes filtros antes do CI, para efetuar a correta análise, é preciso verificar a tensão de referência do mesmo. A Figura 22 mostra sinais LVDS. CLOCKS e DATA/BRILHO Temos neste circuito o controle de brilho e backlight do display. Apesar de no esquema não haver funcionalidade para o sinal L_BKLT_CTRL é utilizado para controle de brilho do display LCD/LED através da modulação de uma frequência de PWM, através do circuito, o MCH injeta uma frequência num PWM que oscila uma determinada tensão que irá controlar o brilho. O sinal L_BKLT_EN é responsável por ativar o backlight do display através de um circuito transistorizado. Os sinais L_CTRL_CLK e L_CTRL_DATA faz a mesma função de L_BKLT_CTRL, só que digitalmente, sem a necessidade de um PWM. Os sinais L_DDC_CLK e L_DDC_DATA são controles de qualidade da imagem do display. Por exemplo, em monitores antigos, é necessário às vezes configurar manualmente a posição dos objetos na tela para que fique alinhado com o que é transmitido. Com estes sinais, o controle é automático, sendo ajustado de acordo com as formas apresentadas na tela. É fácil perceber isto, pois qualquer imagem projetada no display sempre está coerente com o que é mostrado em relação à tela. Falhas de sincronismo podem estar ligadas a estes sinais. Outro papel fundamental deste circuito é detectar e sincronizar com outras telas conectadas a fim de transmitir a mesma imagem em tempo real a outras saídas como HDMI e VGA. Se por exemplo, há distorção entre telas, é possível que haja defeitos nestas linhas de sinais. CLOCKS/DATA Existem dois tipos de clocks neste caso, positivo e negativo e controles de data positivos e negativos. Para fins de analise, temos que estes dois grupos são responsáveis pela imagem em si. As tensões nestes pontos são baixas devido à tecnologia LVDS. O que costuma acontecer é que ou o sinal entra em curto ou a falta de clocks ou mesmo ponto em aberto no chipset. É importante saber que nestas linhas corre tanto a combinação de cores, vsyn e hsync. Sugiro uma leitura no que diz respeito ao LVDS. A Figura 23 ilustra o bloco CRT. É fácil perceber que os sinais CRT_BLUE, CRT_GREEN e CRT_RED compõem as cores para saída VGA. A falta de uma destas cores provoca falhas determinadas de acordo com a combinação restante. Um detalhe é que se todas falharem a cor será tela branca já que o tubo de cinescópio ou backlight do LCD estarão acesos. Assim como acontece no LVDS, no CRT os sinais DDC_CLK e DDC_DATA tem a mesma aplicação. A diferença é que os sinais CRT_HSYNC e CRT_VSYNC são explícitos e podem ser medidos diretamente e determinam a posição da imagem. A detecção de problemas aqui é semelhante ao lidado com uma televisão. PARTE VIII – CRÉDITOS http://lslwww.epfl.ch/ http://www.hardware.com.br/ http://www.ipc.org/contentpage.aspx?pageid=IPC-Fact-Sheet-Portuguese http://www.intel.com/content/www/us/en/processors/xeon/4-chipset-family-datasheet.html http://es.wikipedia.org/wiki/Doble_canal http://www.google.com/imghp?hl=pt-BR NOTA: Versão beta. PDF: Download
  37. 11 points

    Version 3.02.00

    4 downloads

    NETBOOK NOBLEX SF20BA PN: 15-FW8-012001 PCB M/B: SF20BA.. V2.0 Probar y dejar comentarios, gracias Teste e deixe comentários, obrigado
  38. 11 points
    Esse gravador é para Bios SPI DIP8 ou Soic8 usadas em placa mãe de desktops, notebooks modernos e algumas placas de video tambem suporta esses chips e provavelmente muitos outros que não estão listados AMIC: A25L05PU/PT (64kB) A25L10PU/PT (128kB) A25L20PU/PT (256kB) A25L40PU/PT (512kB) A25L80PU/PT (1MB) A25L16PU/PT (2MB) A25L32PU/PT (4MB) A25L64PU/PT (8MB) A25L512 (64kB) A25L010 (128kB) A25L020 (256kB) A25L040 (512kB) A25L080 (1MB) Atmel: AT26DF041 (512kB) AT26DF081A (1MB) AT26DF161A (2MB) AT26DF321 (4MB) EON: EN25P16 (2MB) EN25P32 (4MB) EN25P64 (8MB) EN25P128 (16MB) EN25F16 (2MB) EN25F32 (4MB) EN25F64 (8MB) EN25F128 (16MB) Macronix: MX25L1005 (128kB) MX25L2005 (256kB) MX25L4005 (512kB) MX25L8005 (1MB) MX25L1605 (2MB) MX25L3205 (4MB) MX25L6405 (8MB) Spansion: S25FL004A (512kB) S25FL008A (1MB) S25FL016A (2MB) S25FL032A (4MB) S25FL064A (8MB) S25FL128P (16MB) SST: SST25VF010 (128kB) SST25VF020 (256kB) SST25VF040 (512kB) SST25VF080 (1MB) SST25VF016 (2MB) SST25VF032 (4MB) SST25VF064 (8MB) SST25VF128 (16MB) SST26VF016 (2MB) SST26VF032 (4MB) SST26VF064 (8MB) ST Microelectronic: M25P10 (128kB) M25P20 (256kB) M25P40 (512kB) M25P80 (1MB) M25P16 (2MB) M25P32 (4MB) M25P64 (8MB) M25P128 (16MB) Winbond: W25X10 (128kB) W25X20 (256kB) W25X40 (512kB) W25X80 (1MB) W25X16 (2MB) W25X32 (4MB) W25X64 (8MB) alguns esquemas mas basicamente são todos iguais esse ultimo fui eu que fiz. Como podem ver o esquema é muito simples. Para poder usar esse gravador você precisa de um PC com porta paralela, um pendrive ou CD botavél(caso sua maquina não tenha opção de boot por pendrive) com DOS, pois o programa roda em DOS. aqui só vou mostrar pelo pendrive porque é mais prático e você pode gravar o arquivo da bios no proprio pendrive Programa do gravador: com o pendrive já prondo para boot descompacte esses arquivos[/b] https://eletronicabr.com/files/file/24492-soft_eletronica-_programador_bios_rayer_4988-eletronicabrcomrar para o pendrive e copie os arquivo da bios tambem. reinicie o computador, de boot pelo pendive agora o DOS vai carregar é coisa de segundos... ai vai ficar em A:\>, Para testar o hardware do gravador e conexões de chips e identificar o chip, digite SPIPGM.EXE -i Para fazer o backup da bios SPIPGM.EXE -d backup.rom onde backup.rom é vai ser o nome do arquivo q vai ser criado dentro do pendrive Para comparar a bios gravada com o arquivos q você tem da bios, geralmente nem vai precisar pois quando termina de gravar é feito uma verificação SPIPGM.EXE -v file.rom onde "file.rom" é o nome do arquivo da bios e para apagar a bios q tem no chip e gravar a nova flashrom.exe -p rayer_spi -w FILE_TO_FLASH.ROM onde FILE_TO_FLASH.ROM é o nome do arquivo da bios aqui demorou poucos minutos para gravar e no meu caso o tamanho da bios teve que ser no mesmo tamanho do arquivo da bios no meu cado foi um bios de 8Mbits=1Mbyte o arquivos era de 1024kb=1MB.no meu cado a extenção do arquivos nem era .ROM era .FD e a bios era Insyde bios depois vou testar com outras bios Phoenix , AMI , Awards mas creio que deva funcionar com todas. pode parecer complicado mas é simples eu recuperei um note HP morto com esse esquema Espero que isso ajude. depois vou editar para mostra mais detalhes aki tem umas fotos de uma montagens de gringos depois o ultimo eu fiz Link do projeto: http://rayer.g6.cz/elektro/spipgm.htm
  39. 11 points

    114 downloads

    Backup de uma placa funcionando 100%
  40. 11 points
  41. 11 points
    Este localizador, rastreador de defeitos Rastre Curve 2plus será sorteado entre os usuários do EletrônicaBR. Usuários que fazem uploads de esquemas, bios, manuais e ajudam na analises no dia a dia, ganham muitos joinhas(créditos) e agora também podem ganhar este presentão. Como vai funcionar.... -> Para participar utilize seus Créditos EBR (--$ 100,00). Basta assinar neste link 👇 Assinantes VIP também podem participar 👆 (Não e necessário ter Créditos EBR) Para quem ainda não conhece esta ferramenta. Aqui esta algumas informações: O Rastre Curve 2Plus é um dispositivo rastreador de defeitos, comumente conhecido como Analisador de assinatura de curvas, ou Curve Tracer que contem recursos de Análise de curvas características. A análise da curva é uma poderosa técnica de teste para encontrar falhas em PCBs: uma voltagem AC em uma determinada freqüência é injetada em um pino num determinado ponto em uma placa de circuito e o analisador injeta a tensão e a corrente o que resulta em uma forma de curva em uma tela XY. Esta exibição é uma "assinatura" da operação do circuito, que pode ser comparada com um padrão ou uma placa conhecida de "boa". Se os padrões não coincidirem, a placa de teste estará com defeito. Por exemplo, ao testar um ponto, um capacitor mostrará uma elipse, um resistor mostrará uma linha reta em um ângulo, um diodo mostra a curva exponencial característica, etc. A análise de assinatura é popular em situações de teste em bancadas, porque não requer conhecimento de operação do circuito e assim pode ser usado para agilizar a analise e manutenção de um equipamento. O Rastre Curve 2Plus representa uma vantagem significativa em relação aos instrumentos de análise de assinatura existentes: custa mais barato em relação aos instrumentos de análise de assinatura existentes e a faixa de freqüência do sinal de teste é injetada por um tempo muito pequeno (1,5ms) próprio para não danificar circuitos sensíveis... Neste software que acompanha o aparelho aquisitor, existem 4 perfis de teste: Potencia Baixa: Indicada para placas onde a tensão/ freqüência são baixas. Também indicada para placas onde contem alto nível de capacitância, pois a freqüência inserida e’ de 4 HZ. Potencia Normal: Indicada para maioria dos testes, esta opção já por padrão será optada para inicio de futuros testes, você poderá alterar a seu gosto. Potencia Automática: Indicada quando se desconhece a placa a ser medida, a corrente nesta opção será limitada pelo circuito medido. Potencia Máxima: Indicada para circuitos de potencia, transistores, amplificadores, etc. Nesta opção a freqüência será mais alta. Com estas opções você poderá mudar como quiser durante o teste e durante a memorização, de modo que os resultados podem ser traduzidos em valores mais precisos. A "assinatura da curva" e outras formas de onda podem ser salvas, recuperadas e comparadas para tornar esta uma valiosa ferramenta de depuração. Permitindo uma maior variedade de medidas úteis. Todas as funções do instrumento podem ser controladas através de uma conexão USB2.0 de um computador. Através de nosso software que poderá ser instalado em sistemas operacionais Windows XP SP3 ate o Windows10, 32bits ou 64bits. Características: Canais: 3, sendo 2 pra comparação e memorização e testes, e 1 pra disparo de transistores, triacs, scr, fotoacopladores, etc. Memorização pela foto, modo captura ponto a ponto, e a três pontos. Alimentação Somente pela USB Perfis de teste: 4 (Potencia baixa, normal, máxima e automática) Tensão maxima de Teste ate 2,4vp (4,8vpp) Corrente Máxima 10mA Tempo de Aplicação da tensão de teste: 1,5ms O Sorteio será pelo número da assinatura dia 01/05/2019 Durante este ano vamos sortear outras ferramentas essenciais para amantes da eletrônica. Clique no botão "Seguir" acima acompanhe a novidades... Agradecimentos ao fabricante que disponibilizou este produto para o sorteio no fórum. -> https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1153712688-localizador-rastreador-de-defeitos-rastre-curve-2plus-_JM?quantity=1
  42. 11 points
    Segue fotos de um projeto fácil de fazer para quem está precisando de uma fonte de Bancada. Você pode fazer uma usando uma fonte de PC velha que você tem jogada ai. Detalhe para Chegar nos 22V Use o Fio Azul + Amarelo da Fonte. Tem um Voltímetro Digital com Amperímetro muito bom que vc pode comprar para usar nesse projeto espero que seja útil a dica.
  43. 11 points
    Pessoal, venho compartilhar com vcs a tradução ( Simples, mas feita por mim) do software da gravadora RT809H. Dentro do arquivo vai um pequeno arquivo explicando como aplicar a tradução. Tradução totalmente gratuita. Se essa postagem lhe ajudou e vc gostou, deixa aquele joinha para incentivar!
  44. 11 points

    Version 1.0.0

    300 downloads

    Identificao de placas me notebook 3103.pdf
  45. 11 points

    Version 1.0.0

    130 downloads

    positivo All in One pctv c1260 C14CU4X REV- 1.0 12222.bin
  46. 11 points

    Version 1.0.0

    122 downloads

    Schematic and Boardview Compal LA-D641P se era útil joinha
  47. 11 points

    Version 1.0.0

    247 downloads

    Software para limpar o me region da bios.
  48. 11 points

    Version 1.0.0

    103 downloads

    BIOS Samsung- rv420-cd2br mb scala2-14r-ve rev1.1 19200.bin
  49. 10 points

    35 downloads

    ROM oficial do Tablet Positivo Ypy T701 TV. Instruções no file compactado. Senha: elbr2017
  50. 10 points

    Version 1.0.0

    198 downloads

    Não Esqueçam do joinha para incentivo a mais upload de bios.
This leaderboard is set to Sao Paulo/GMT-03:00

SOBRE O ELETRÔNICABR

EletrônicaBR é o melhor fórum técnico online, temos o maior e mais atualizado acervo de Esquemas, Bios e Firmwares da internet. Através de nosso sistema de créditos, usuários participativos têm acesso totalmente gratuito. Os melhores técnicos do mundo estão aqui!
Técnico sem o EletrônicaBR não é um técnico completo! Leia Mais...
×
×
  • Create New...